Este texto foi gentilmente patrocinado pela Mercur*

Todo começo de ano tem o período de volta às aulas: vai tooodo mundo comprar materiais escolares. Quando a gente é criança é um dos melhores momentos do ano. E é justamente nesse comprar tudo de novo que a gente acaba tendo muitas coisas repetidas, comprando coisas novas pra substituir coisas que estão funcionando perfeitamente e desperdiçando – dinheiro e recursos.

Quando a gente fala de sustentabilidade, tem sempre que lembrar que na maioria das vezes o mais sustentável é não comprar coisas novas e usar o que a gente já tem em casa. ;) É totalmente esse o caso de materiais escolares e, pras coisas que a gente ainda precisa comprar, a gente tem algumas alternativas mais legais também.

Comece em casa: o que você já tem?


A maior parte das pessoas e famílias tem vários cadernos que não foram usados, canetas, marcadores de texto novinhos. Eu mesma tenho várias coisas desde a época do colégio (!!!). Separe tudo, teste e veja o que ainda funciona e separe o que dá pra usar esse ano.

Se você tem filhos: negocie com eles pra reencapar os cadernos e deixar eles mais atuais pro momento da vida deles – a gente sempre quer coisas com personagens, etc. Tente negociar pra não precisar comprar novos. Dá pra usar o site Canva pra fazer uma capa bonita, imprimir na gráfica e deixar o caderno único.



Veja se dá pra arrumar o que tá estragado. Algumas coisas só precisam de uma espiral nova, uma pecinha aqui, uma limpeza. Pros cadernos que só tiveram poucas folhas usadas, separe pra reciclagem as usadas e aproveita as que sobraram em branco!

Se você tem filhos, provavelmente também tem um grupo de whats com as mães da turma do seu filho. Que tal sugerir um bazar de coisas das crianças? Porque nem sempre o que a gente tem é interessante no próximo ano, mas o do coleguinha sem-pre é mais legal, né? Assim as crianças aprendem a dividir ao invés de comprar tudo zerado. Fora que vai ser uma economiiiia.

Mochila

Pra mim, mochila é uma compra que poderia ser feita pensando pra ser usada a vida toda. Se você já tem uma boa, funcionando, por que não continuar usando?

Se estragou alguma coisa, dá pra mandar em um sapateiro pra consertar zíper, alça, etc. Vai sair bem mais barato e você deixa de jogar fora uma mochila boa com um probleminha.



Agora, se você for comprar uma nova, escolha uma mais neutra que a criança/adolescente ou até mesmo você não canse de um ano pro outro do personagem, da cor. Algumas marcas têm garantia vitalícia do produto e isso é muito legal pra garantir que vai ser um bem durável como a Jansport, a Kipling e a que eu tenho da 2C2 (criada e produzida no Brasil!).

A minha mochila é impermeável, super forte pra durar em viagens, na faculdade e onde mais eu precisar usar, é produzida em São Paulo com materiais super resistentes e tem garantia pra sempre!!! Se eu tiver algum problema, eles consertam pra mim sem custo.

Lanche e almoço


Pra levar lanches é bom garantir potinhos de inox. Existem algumas opções bem legais em lojas de acampamento, como esses da Decathlon ou esses da Tramontina. Eles são melhores que de plástico porque não liberam substâncias na comida e são mais seguros e mais leves que os de vidro principalmente pras crianças! Falando em crianças, essa playlist da Bela Gil tem dicas ótimas de comidas saudáveis pra eles e essa outra playlist da Rita Lobo com marmitas gostosas pra montar em pote.



Pra comer fora de casa é legal ter sempre um kit lixo zero** na mochila com guardanapo de pano, talheres, hashis se for o caso, canudo e copo ou garrafinha. A garrafinha também é super importante pra beber bastante água! De preferência que ela seja de inox pra lavar e usar pra vida toda sem ter contaminantes dos plásticos como essa aqui. Uma coisa que pode ser muito útil é também ter um pedacinho de carvão ativado dentro da garrafinha pra poder encher ela na rua e garantir uma filtragem mínima da água.

** Se você usar o cupom UMANOSEMLIXO no site Paz em Gaia, ganha 10% de desconto nas compras acima de R$90 (isso inclui o kit lixo zero!). 


Dicas pra hora de comprar coisas novas:


– Cadernos: você pode usar os que você já tem, essa é a melhor dica. Dá pra reaproveitar folhas em branco pra perfurar e usar argolas de fichário – tem em lojas de scrapbook e papelarias. Você pode reaproveitar as argolas de um fichário antigo pra fazer uma nova capa (é só aparafusar em outra capa). Um fichário dura mais tempo e é só comprar folhas em branco! A Bea do Zero Waste Home recomenda esse fichário de alumínio, mas eu não lembro de ter visto por aqui. Mas é a melhor opção pra durar a vida toda.

Estojo que eu uso faz uns 10 anos e caderno que usei pra uma matéria do mestrado, pra aula de alemão e agora vou usar pra estudar pro vestibular.

Uma ideia muito legal é usar protetores de tecido pros livros, apostilas e cadernos. Assim eles duram o ano todo bem cuidados e dá pra mudar a cor e estampa sem precisar de um livro novo. Tem algumas opções de protetores aqui nessa lojinha, mas quem sabe costurar sabe que é super tranquilo de fazer. :)

– Pastas: aproveite o que já tiver. Troque os elásticos das que estão estragadas e elas voltam a funcionar perfeitamente. Prefira as de papel sem estampas brilhantes porque normalmente essas versões tem um plástico fininho que envolve o papel e dificulta e até impossibilita a reciclagem depois.

– Lápis/lapiseira: se você já tem uma que funciona, fique com ela! Se você precisa comprar uma nova, dê preferência pras que têm o corpo de metal – elas não vão quebrar e estragar tão fácil quanto as de plástico.

Uma dica pra manter as lapiseiras funcionando mais tempo sem problemas é não deixar grafites dentro dela, eles quebram e entopem o mecanismo mais fácil.



Lapiseiras são ótimos substitutos aos lápis porque duram muito mais e a gente usa só o grafite, sem precisar da madeira pra escrever.

– Lápis de cor, giz de cera ou pastel e outras coisas coloridas de pintar: ao invés de comprar um kit novo, que tal comprar só a cor que acabou? Na Mercur dá pra comprar o giz de cera tijolinho na versão individual, por exemplo. Muitas vezes uma ou duas cores acabam mais rápido porque a criança usa mais e quando a gente compra uma caixa pra repor só aquelas duas cores, acaba desperdiçando todo o resto.





Dá pra fazer a mesma coisa com lápis de cor, muitas papelarias já vendem os lápis separados e assim além de repor uma cor que gasta muito como o preto, também dá pra comprar cores especiais sem precisar de um kit inteiro novo. ;)

E claro, sempre tem a economia em fazer essa escolha!

– Borracha: prefira as opções feitas com borracha natural. A maioria das borrachas da Mercur são de borracha natural da qual a maior parte é adquirida por um preço justo de seringueiros nas Reservas Extrativistas do Xingu, Rio Iriri e Riozinho do Anfrísio, no município de Altamira, no Pará. Este projeto, o Borracha Natural, busca a (re)construção da cadeia sustentável da borracha, com base em modelos de negócio que promovam condições de real preservação da floresta e contribuam também para preservar a cultura e o desenvolvimento das comunidades.

Também tem ainda tem uma opção feita com reaproveitamento de materiais que iam pro lixo, a Borracha Lado B.


A embalagem é de papel kraft e a borracha tem vários tamanhos. ;)

Ela foi desenvolvida pra reaproveitar as cinzas de casca de arroz que são usadas pra gerar energia que antes iam pro lixo. Agora, o mais incrível é que essa borracha também tem um fator inclusivo muito legal: por ser preta, facilita pessoas com baixa visão porque tem contraste com as folhas brancas.

– Tintas: quem tem filho pequeno na escola normalmente precisa comprar kits de tintas guache individuais pra usar ao longo do ano. Mas esses potinhos acabam estragando muito rápido depois que são abertos. Foi pensando nisso que a Mercur criou esses potões de tinta com válvula que duram muito mais porque não precisa colocar o pincel direto lá dentro e você só pega a quantidade de tinta que vai usar na hora.



E também tem uma coisa muito muito legal que praticamente vem de brinde: aprender a dividir. Como os potes têm 500ml de tinta, cada turma pode comprar um kit com todas as cores ao invés de cada criança ter o seu kit individual. As crianças aprendem a compartilhar, a dividir e a respeitar já que é de todo mundo. Não é legal?

– Caneta: vários blogs de fora do Brasil como o Zero Waste Home e o Going Zero Waste sugerem opções muito legais de canetas-tinteiro que você enche de tinta pra usar sempre a mesma caneta. São canetas parecidas com as caneta-tinteiro de antigamente, mas com uma tecnologia melhor. Tem até algumas com a ponta esferográfica!



Você pode ver algumas opções aqui nesse link. Eu só achei pela internet opções importadas com preços mais razoáveis. Essa foi uma das que me pareceu melhor daqui do Brasil, mas acho que dá pra perguntar em papelarias por opções mais simples como essa! O importante é ter a opção de usar pistão e tinta em potinho, não refil – que produz lixo de plástico. ;)

Eu, particularmente, vou demorar muuuito tempo pra terminar as canetas esferográficas que tenho aqui em casa pra só daí pensar em comprar uma dessas e imagino que você também se encaixe nisso. Usar o que se tem antes de comprar coisas novas, lembra?

– Marcadores de texto: existem uns lápis-marca-texto que são neon e não tem plástico com os comuns! São uma opção melhor porque só produzem a madeira dos lápis e não o lixo do potinho de plástico + lixo da tinta da caneta. Por aqui eu tenho canetas marca-texto há tantos anos que acho que vou terminar minha próxima faculdade e eles vão continuar funcionando.

Pra outras coisas que eu não listei aqui, tente sempre pensar em:

  1. Usar o que você já tiver em casa antes de comprar algo novo.
  2. Evitar plástico sempre que possível.
  3. Comprar opções que sejam duráveis pra vida toda e possam ser reutilizadas sempre que possível. Escolher marcas que fazem produtos pra durar a vida toda, que priorizam a qualidade do produto em si.
  4. Escolher opções que tenham tamanho família pra compartilhar e durar mais ao invés de versões pequenas que geram mais lixo em embalagem.
  5. Escolher produtos que sejam feitos com insumos retornáveis como no caso da Borracha Lado B da Mercur.

Jogando fora o que for preciso


– Pras coisas que não tem como aproveitar, separe papel de plástico e outros materiais para a reciclagem.

– Você pode ter uma brigada da terracycle para separar materiais escolares na sua escola, condomínio, etc. Com esse projeto da terracycle, é só se inscrever no site deles e juntar os materiais estragados e que já acabaram. Clique aqui pra saber mais informações.

– Pra quem já tá na faculdade e acaba com um monte de xerox das disciplinas todo semestre, dá pra combinar com a turma de organizar um apadrinhamento da próxima turma dessa matéria e doar as impressões. :)

O Centro Acadêmico do seu curso pode ajudar também, catalogando as cópias por assuntos ou matérias. Se não tiver jeito, dá pra usar o verso como bloco de anotações e, no fim das contas, mandar pra reciclagem sem o grampo de metal nem nada adesivo.

Ufa! Que post longo! Mas é que tinha muita coisa pra falar. Ficou com alguma dúvida? Teve algo que eu não falei? Comenta aqui embaixo pra eu saber. :)

*Atuando sempre em função das pessoas, a Mercur propõe ajudá-las no desenvolvimento do seu bem-estar. Para isso, tem como base o compromisso institucional de unir pessoas e organizações para construir encaminhamentos e criar soluções sustentáveis. A empresa busca estar presente em diálogos significativos que promovam reflexões sobre o mundo em que vivemos. Essa publicação é o início de um relacionamento que a Mercur deseja ter com as pessoas sobre assuntos que considera importante. Fique à vontade para acompanhar os seus canais: Portal Mercur, Facebook, TwitterYoutube.
Este texto foi gentilmente patrocinado pela Mercur*

Ter um natal com menos lixo, menos desperdício é possível e não é tão difícil. Precisamos fazer melhores escolhas assim como no dia a dia: fazer antes de comprar; pensar antes de fazer; repensar e questionar o que a gente já faz no automático.

Natal é uma época de comprar presentes. Mas muito porque a gente é obrigado a dar presentes pra muitas pessoas e a gente não sabe o que dar. O principal problema disso tudo é que muitos dos presentes acabam sendo inúteis, são só engraçadinhos, não tem nada a ver com a pessoa que ganhou, são descartáveis, produzem muito lixo e custam muito dinheiro (ufa!).

Fazer os próprios presentes faz com que a gente pense melhor na pessoa que vai ganhar pra ser algo útil e que ela realmente goste. Além de ser uma opção mais barata, produzir menos lixo porque você pode reutilizar embalagens, potinhos e ingredientes, e de ser algo especial e único.

Esse post é pra você ter muitas opções pra dar presentes de natal esse ano mais sustentáveis e com mais significado. São sugestões de presentes que geram menos lixo na hora de fazer e ao longo do tempo também, ó:

Presentes que você mesmo pode fazer


Todo mundo tem algum talento que pode ser usado pra criar presentes únicos. Você pode não lembrar agora ou pensar só em habilidades manuais, mas esse talento pode ser cozinhar, fazer playlists de música muito boas, bordar, achar promoções de passagem, consertar eletrônicos, pintar.

Quem não gosta de comer, né? Se você sabe cozinhar pode fazer geleias, pastinhas salgadas, queijos veganos, granola caseira, receitinhas de natal, aquele prato especial que todo mundo ama. É legal porque com certeza é algo que vai ser usado (no caso, comido ou bebido!). Além de ser feito por você com seu segredo e ainda poder provar que receitas sem produtos de origem animal são deliciosas. ;)


Foto via Casulo.

Quem sabe um pouco de crochê e tricô pode fazer cachepôs pra vasinhos de plantas, os disquinhos de crochê pra tirar maquiagem, porta-coisas maiores e aqueles hangers de macramê pra pendurar vaso. Se você não sabe também pode fazer, tem vários tutoriais no youtube que são super simples de seguir!





Também dá pra reaproveitar coisas que você tem em casa pra fazer algo novo como essa luminária feita com corda; usar camisetas pra criar fio de malha e fazer um tapetinho (clica pra ver); costurar guardanapos de pano com restinhos de tecido esquecidos na caixa de costura.

E, uma categoria que é minha preferida: cosméticos naturais. Fazer cosméticos é muito legal (amo demais!) porque você pode escolher os ingredientes e fazer exatamente o que quiser, escolher o cheirinho, as funções terapêuticas, fazer a quantidade que você precisar e ainda, produzir menos lixo e sem usar produtos com ingredientes duvidosos.



Barrinha hidratante e esfoliante que eu adoro fazer!

Você pode pegar alguma das receitas aqui do blog pra fazer hidratante, desodorante, barrinha hidratante e outras coisas pra incentivar a pessoa a começar uma rotina de beleza natural.


Presentes que são experiências

Nem todo presente precisa ser um objeto. Um presente que é uma experiência vai ser sempre um evento a ser lembrado e vivido junto, o que é maravilhoso pra lembrar das pessoas em momentos legais da vida. :)

Você pode dar passagens pra uma viagem que pode ser bem curtinha, de só um fim de semana. Não precisa ser uma viagem pra além-mar, um sábado e domingo em uma pousada numa cidade perto da sua já vão ser legais demais.

Ingressos pra um show da banda que a outra pessoa curte muito e vai estar na sua cidade ou no Brasil. Ou pra uma peça de teatro, ou um "vale" pra ir no cinema todo mês contigo.

Você também pode dar um curso de costura, cosméticos, saboaria ou horta que você sabe que seu amigo/a vai gostar. Pode ser um presencial, à distância, o que importa é que ele não estava podendo ir e você deu a inscrição de presente!

Presentes que geram menos lixo



Meus canudos de bambu da Paz Em Gaia

Você pode dar kits lixo zero pros seus amigos que sempre falam que queriam ter copinho, guardanapo e outras coisas num kit pra não produzir lixo fora de casa. Tem um montão de coisas que dá pra dar nessa categoria: guardanapos de pano, canudos reutilizáveis, coletor menstrual, conjunto de talheres, copo retrátil ou caneca/garrafa, saquinhos de pano, ecobag, escova de dente de bambu, uma composteira, cafeteira de pano ou francesa e até um leitor de livros digitais como um kindle!

Presentes que são um pedacinho de você


Dar algo que era seu é muito legal porque incentiva a pensar que presente não precisa ter valor em reais, nem ser comprado do zero em uma loja. Pode ser algo que você já tem em casa. Como livros que você leu, amou e acha que tem tudo a ver com um amigo em especial.

Passar livros incríveis pra frente é algo tão legal. Eu amo ler e amo que as pessoas leiam os livros que acho legal. Ganhei "O Amor de Uma Boa Mulher", da Alice Munro, da minha amiga Flávia Schiochet e foi um dos melhores presentes da vida conhecer essa autora (leiam!).

Ou uma roupa que sua amiga gostou muito, você nem usa mais e ela vai ficar super feliz em ganhar porque sempre falava dela quando você vestia. Uma câmera fotográfica, principalmente as antigas e analógicas que muita gente ainda tem em casa e pode restaurar e dar de presente pro amigo louco por fotografias.

(via)


Depois, na hora de embalar, ainda dá pra usar o método japonês que chama furoshiki, que consiste em um quadrado de tecido que pode ser amarrada de diversas formas pra embalar o presente. O mais legal é que a embalagem vira outro presente, como um lenço ou um guardanapo de pano. ;)


Imagem via.

Existem muitas ideias por aí que com certeza vão fazer mais sucesso que coisas genéricas compradas pra presente, porque foi você quem fez e não existe outro igual. Isso é super legal porque você tá realmente trocando algo com alguém, além de gerar menos lixo, plantar uma sementinha na outra pessoa também. :) Vamos fazer mais e comprar menos nesse natal? :)

*Atuando sempre em função das pessoas, a Mercur propõe ajudá-las no desenvolvimento do seu bem-estar. Para isso, tem como base o compromisso institucional de unir pessoas e organizações para construir encaminhamentos e criar soluções sustentáveis. A empresa busca estar presente em diálogos significativos que promovam reflexões sobre o mundo em que vivemos. Essa publicação é o início de um relacionamento que a Mercur deseja ter com as pessoas sobre assuntos que considera importante. Fique à vontade para acompanhar os seus canais: Portal Mercur, Facebook, Twitter, Youtube.
Já li muito sobre quais ingredientes são os piores na composição de cosméticos* e demorei pra formular uma lista final porque sentia que se ficasse listando, nunca iria acabar. Essa lista aqui não é baseada em achismos, mas em pesquisas científicas que comprovaram a toxicidade de alguns ingredientes e em resultados divulgados por algumas organizações independentes (links todos lá embaixo). Essa lista tem o nome do produto em inglês e em português e como é o nome usado na rotulagem de cosméticos de acordo com o INCI (International Nomenclature of Cosmetics Ingredients). Também tentei trazer os usos mais comuns (em quais tipos de cosméticos eles são mais facilmente encontrados) e quais os riscos encontrados nas pesquisas.

Tenha em mente que a ciência é uma coisa em movimento, então a todo momento surgem novas pesquisas mais conclusivas sobre os mais variados assuntos. Minha lógica é que, se há uma suspeita, eu prefiro evitar desde já porque posso. :)

Esses ingredientes são comuns em todo tipo de cosmético encontrado em farmácias ou mercados (inclusive os voltados pra bebês!), mas também em marcas mais tidas como naturais só pelo nome (Natura), marcas caras (La Roche Posey), marcas baratas (Vult, Avon), etc. Tá em tudo porque esses ingredientes são baratos. Os órgãos reguladores consideram seguro porque de acordo com eles a exposição é em pequena quantidade, mas sempre que eu penso que diariamente a gente usa uns 15 produtos e essa pequena quantidade é multiplicada por 15 vezes, acho que não deve ser tão ok assim. As leis ainda não mudaram porque são estudos recentes e porque bem, vocês sabem, essas marcas vão lutar para o contrário assim como acontece com os alimentos.

Minha intenção em mostrar esses assuntos é que você tenha autonomia pra poder ler no rótulo um desses nomes, saber que ele está associado ao câncer de mama e poder escolher não usar. Aqui no blog, na categoria beleza natural eu tenho algumas receitas pra você fazer em casa e substituir alguns cosméticos, além de indicações de algumas marcas de cosméticos naturais que não usam esses ingredientes da lista. Recomendo muito dar uma pesquisada no blog Tantas Plantas da Michele que tem reviews muito muito legais de muitos (mesmo) cosméticos naturais dos mais variados preços e marcas.

Foto: Joanna Kosinska via Unsplash

Amianto 

Cancerígeno, ligado a câncer de pulmão quando inalado. Encontrado em cosméticos como maquiagem em pó ou talco para bebês que contenham talc na sua composição. Normalmente é contaminante do talco e não um ingrediente em si.

BHA e BHT

(Butylated Hydroxyanisole, Butil-hidroxianisol) e (Butylated Hydroxytoluene, Butil-hidroxitolueno)
Usado principalmente em hidratantes e maquiagens como conservadores. Suspeitos de causar câncer (BHA) e interferir no funcionamento hormonal. Nocivos a peixes e outros animais e plantas selvagens.

Chumbo 

(Lead acetate ou lead)
Usado em cosméticos com alta pigmentação como fixador ou corante como tintas de cabelo e batom. Neurotoxina, cancerígeno e cumulativo no corpo, podendo causar intoxicação.

Coal tar dyes 

(corantes de alcatrão de hulha)
Procure por P-Phenylenediamine (P-Fenilenodiamina) em tinturas para cabelo e por cores identificadas como “C.I.” e seguidas por cinco dígitos em outros produtos**. Potenciais causadores câncer e podem estar contaminados por metais pesados.

** Pigmentos naturais e inorgânicos usados em cosméticos também usam o Color Index (CI) com números entre 75000 e 77000, respectivamente.

DEA, cocamide DEA, MEA e TEA 

DEA (Diethanolamine, Dietanolamina), cocamide DEA, MEA (Monoethanolamine, Monoetanolamina) e TEA (Triethanolamine, Trietanolamina)
Encontrado em produtos cremosos e que formam espuma, como hidratantes e xampus. Podem reagir e formar nitrosaminas que são causadoras de câncer. Nocivos a peixes e outros animais e plantas selvagens.

Dibuthyl Phthalate 

(Dibutilftalato)
Usado como plastificante em alguns produtos pra unhas. Tóxico para o sistema reprodutivo e pode interferir no funcionamento hormonal. Nocivo a peixes e outros animais e plantas selvagens.

Formaldeído e liberadores de formal

Formaldehyde-releasing preservatives (conservantes que liberam Formaldeído): Procure por DMDM Hydantoin (DMDM Hidantoína), Diazolidinyl Urea (Diazolidinil Uréia), Imidazolidinyl Urea (Imidazolidinil Uréia), Methenamine (Metenamina) ou Quaternium-15 (Quatérnio-15)
Usados em uma variedade grande de cosméticos como esmalte de unhas e shampoos. Libera uma quantidade pequena de formol muito devagar. Formaldeído é cancerígeno, causa dermatite de contato e enxaqueca.

Parabenos

Paraben (Parabeno), Methylparaben (Metilparabeno), Butylparaben (Butilparabeno), Propylparaben (Propilparabeno)
Parabenos são usados em todos os tipos de cosméticos como conservantes. Podem interferir no funcionamento hormonal. Associados ao câncer de mama.

Parfum 

(Perfume)
Usado mesmo em produtos "sem perfume". Mistura de compostos químicos (pode chegar a 5mil ingredientes!) que podem provocar alergias e asma. Alguns estão relacionados a câncer e neurotoxicidade. Alguns são nocivos a peixes e outros animais e plantas selvagens.

PEGs 

(Polyethylene Glycol, Polietilenoglicol)
Amplamente usado em condicionadores, hidratantes, desodorantes etc. Pode estar contaminado por 1,4-Dioxane (1,4-Dioxano), que pode causar câncer.

Petrolatos

Petrolatum (Petrolato)
Em produtos para o cabelo, protetores labiais, batons, produtos para a pele. Produto derivado de petróleo que pode estar contaminado por impurezas causadoras de câncer. Cria uma camada superficial que impede pele e cabelo de respirarem, obstrui os poros. Procure por Petroleum oil (Petróleo), Petroleum Jelly (Óleo de Vaselina), Petrolatum (Petrolato), Mineral oil (Óleo Mineral), Mineral Jelly (Geleia Mineral), Liquid Paraffin (Parafina Líquida).

Plásticos e plastificantes

Encontrado em produtos pro cabelo, esfoliantes e até pasta de dentes. Usado pra adicionar viscosidade e abrasão no caso das microesferas de plástico. Afeta os hormônios, ligado ao câncer. Absorvem toxinas e poluem água, animais selvagens, a cadeia inteira. Procure por Polyethylene (Polietileno), Polythene (Politeno), PE ou Phenoxyethanol (Fenoxietanol), Phthalates (Ftalatos).

Silicones

Siloxanes (Siloxanos): Cyclotetrasiloxane, cyclopentasiloxane, cyclohexasyloxane e Cyclomethicone (Ciclometicone)
Silicones usados em cosméticos para suavizar, alisar o toque, normalmente em hidratantes pra pele e cabelo. Podem interferir nas funções hormonais e causar danos ao fígado. Nocivos a peixes e outros animais e plantas selvagens.

Sulfatos

Sodium Laureth Sulphate (SLES, Lauril Éter Sulfato de Sódio) e Sodium Lauryl Sulphate (SLS, Lauril Sulfato de Sódio)
Em produtos que formam espuma como xampus, sabonetes líquidos, espumas para banho. Ressecam a pele e podem causar alergias e dermatites. SLES pode estar contaminado por 1,4-Dioxane (1,4-Dioxano), que pode causar câncer. SLS pode causar danos ao fígado. Nocivos a peixes e outros animais e plantas selvagens.

Triclosan

(Triclosano)
Em produtos bactericidas como cremes dentais, sabonetes, desinfetantes para as mãos. Pode interferir no funcionamento hormonal e contribuir para a formação de bactérias resistentes a antibióticos. Nocivo a peixes e outros animais e plantas selvagens. Pessoas com espinhas persistentes ao longo da vida podem ter alergia ao triclosan.

* Com informações do livro Skin Cleanse da Adina Grigore; da instituição canadense David Suzuki Foundation – What's Inside? That Counts: A Survey of Toxic Ingredients in Our Cosmetics; a tradução da Michele do blog Tantas Plantas dessa última; e do Quick Tips for Choosing Safer Personal Care Products d ONG americana Environmental Working Group.

Pra ler mais:

  • As listas de ingredientes tóxicos em cosméticos da Nyle do blog Lookaholic é bem completa, tem alguns que eu não cito aqui. Parte 1 e parte 2.
  • O ebook "Beleza Tóxica" escrito pela Nyle também é muito importante como leitura auxiliar. Clique aqui para baixar.
  • O Skin Deep da EWG (Environmental Working Group) tem um pdf com dicas de ingredientes a serem evitados (clica aqui pra baixar), além da plataforma ter um banco de dados imenso que você pode pesquisar item por item pra saber o que tem de pesquisas sobre.