Quanto menos a gente olha pra gente mesma, quanto menos "se investiga", se aceita e se curte... mais energia sobra pra olhar pra fora. Não ter vontades claras, não exercitar questionamento (no guarda-roupa e na vida!) rende um vazio que deixa a gente à mercê do mercado/da indústria: a gente passa a não desenvolver pensamento crítico e opinião como cidadãs – mas sim passamos a nos expressar como consumidoras, através do que compramos. Se a gente não faz as próprias escolhas, então o mercado "escolhe" pra gente.

Nosso trabalho como consultoras de estilo pessoal exercita bem isso: a gente ajuda clientes a enxergar com clareza os seus SIMs, pra que elas tenham força emocional pra dizer NÃO pro que não serve pra elas. :)

Percebam que tudo em volta quer que a gente diga esses SIMs, que compre tudo, que não raciocine sobre nada, que não faça escolhas -- pra optar sempre por um excesso que não funciona, e que por isso mesmo faça a gente querer comprar ainda mais.

Já disse Marcelo Camelo: a gente devia "só precisar do que já tiver". Isso é tranquilidade, é o oposto de ansiedade!


Agora pára um segundo e pensa com a gente: e se a gente tivesse cuidando de estudar a nossa própria aparência em frente ao espelho (e não tanto as aparências das moças que frequentam semanas de moda, que aparecem no Pinterest, que tão nas páginas das revistas)? E se no lugar de estudar e perguntar "de onde é" e querer saber milimetricamente o que as outras pessoas tão vestindo... a gente fizesse essas perguntas sobre nós mesmas?

Olhar pra dentro de si mesma com carinho <3 procurando clareza de preferências e vontades nem é tão dificil – mas a gente tá bem desacostumada, já que nada em volta ajuda ou incentiva essa prática.

Perguntas boas pra se começar (assim que a gente desliga o celular ou sai da frente do computador) podem ser:

-o que eu quero sentir?
-como eu quero parecer?
-o que é importante pra mim?
-que tipo de roupas, cores, acessórios, materiais e estampas eu entendo que me fazem sentir essas sensações ou parecer como eu desejo?


Um aprendizado útil de verdade pode ser esse: entender como as roupas podem materializar sensações. Se a gente consegue organizar essas respostas daqui de cima com honestidade e carinho, fica tranks escolher o que vestir – e as escolhas vão ficando mais e mais certeiras na medida em que a gente se interessa também por conhecer qualidade, caimentos, acabamentos, etc.

Quando a gente tem clareza de quem é e consegue "mapear" a vida que vive, fica fácil dizer não pro que é excesso. É nisso que a gente fundamenta o nosso SUBSTITUA CONSUMO POR AUTOESTIMA: na energia que coloca em si mesma pra não precisar comprar pra se sentir bem.


E a nossa experiência prática com clientes de consultoria e com alunas dos nossos cursos ensinam mais e mais pra gente – e dão certeza de que esse é um raciocínio eficaz, que funciona de verdade, na vida real.

Pra ler mais sobre:
Quando eu pensei em fazer um blog pra contar como seria parar de produzir lixo, eu sabia que ia dar algum barulho. Fosse só entre os amigos ou um pouquinho mais, mas nunca imaginei que seria como está sendo. Fui entrevistada pela Trip, pelo Estadão e saí no site da Carta Capital. Eu fico muito muito feliz, mas muito mais pela possibilidade de espalhar essa ideia por aí.

E é com muita muita muita muuuita alegria que eu publico o TEDx Talk que eu fiz, graças ao convite ilustríssimo do TEDxBlumenau. Sem mais, ó:

Entrevistei a Carmen Cocca, veterinária por trás do blog e loja (e clínica) Bicho Integral, que fica aqui em Florianópolis – SC. Ela saiu de São Paulo há 18 anos e inquieta com a medicina "tradicional" decidiu pesquisar e estudar mais sobre terapias alternativas, como os Florais de Bach, homeopatia, Reiki, todas essas experiências tão legais. Foi por isso que fui pedir dicas e informações sobre alternativas aos cuidados com cães (principalmente) e gatos. Além de algumas opções serem lixo zero (como no caso de alguns alimentos que podemos incluir na dieta deles), no conjunto vamos usar menos remédios desnecessariamente (quando precisa usar, tem que usar, mas podemos evitar em outros casos e aí, por que não?). Winwin!


Filózinha gigantesca <3



Esse é um post com dicas incríveis para cuidar dos nossos bichinhos com alternativas que respeitam mais sua natureza animal e peluda, sem perder de vista a saúde deles – que é o mais importante, certo? Então, se você quer saber o melhor jeito de se dar banho, jeitos de combater e evitar pulgas e vermes, segue lendo:

1. Vamos começar com o banho: qual seria frequência ideal? A gente dá banho demais nos nossos cachorros?
Sim, damos banhos demais nos cães no geral. A maioria das pessoas, especialmente as que tem cães pequenos indoor e que muitas vezes dormem com eles, tem o hábito de enviá-los aos pet shops 1 vez por semana para que não fiquem “fedidos”. Considerando-se que a renovação da epiderme do cão se faz a cada 20 dias e essa espécie tem apenas 3-5 camadas de células, ou seja, pele muito fina perto da espessura da pele humana com 10 a 15 camadas celulares, banhar um cão a cada semana dificulta a renovação celular natural além de tirar a proteção natural da pele feita pelas glândulas sebáceas e apócrinas que nutrem a pele e o pelo.
A frequência ideal ao meu ver é o menos possível! Considerando-se os períodos de renovação citados, à cada 3 semanas seria o mais indicado.

2. Que tipo de xampu ou sabonete é o mais legal de usar? O que a gente tem que procurar neles? E o que a gente deve evitar ao máximo?
É muito importante a escolha de shampoos ou sabonetes que não utilizam produtos químicos agressivos para a pele e para a saúde do peludo e do banhador. Substâncias potencialmente cancerígenas, contaminantes de lençóis freáticos, disruptores endócrinos, aromatizantes artificiais (perfumes), solventes, emulsificantes, tensoativos, conservantes, corantes artificiais, emulsificantes, óleos minerais (derivados de petróleo), álcool e muitos outros “coringas” da indústria cosmética escondem danos à saúde causados pelo uso contínuo desse monte de química desnecessária no dia a dia da vida de pessoas e bichos. Temos um post completo no blog dando nome aos vilões e que pode servir como um guia na hora de comprar o seu shampoo e o dos seus pets, clica aqui para ler.


3. E as pulgas? Existe forma natural de combatê-las?
Certamente que sim! Muitos dos produtos que indicamos e vendemos tem a pegada do controle biológico já que interferem exatamente no ciclo reprodutivo do parasita. Associando homeopatia (nosódios) com fitoterapia, óleos essenciais, cuidados de manejo ambiental básicos e até nutracêuticos estamos agindo em níveis diferentes para combater os "bichos que dão em bichos"!

Importante lembrar que controle natural de parasitas requer um envolvimento maior do cuidador/tutor pois são produtos que tem que ser utilizados com uma frequência muito maior e por períodos muito maiores de tempo pois não tem efeito residual longo, saem com o banho e precisam de tempo pra se incorporarem ao ambiente e ao bicho e iniciarem sua ação.
No Blog do Bicho Integral você encontra explicadinho a função de alguns dos muitos protocolos de controle natural, clica aqui para saber tudo.

4. E os vermes? Tem algum jeito mais natural de prevenir, cuidar, medicar ou só o vermífugo mesmo?
A forma ideal de cuidar dessa parte é fazendo pelo menos duas vezes ao ano exames de fezes e inspecionando as fezes dos peludos diariamente. Algumas opções para esse controle são os nosódios homeopáticos como o Fator vermes pet ou Paracanis e Parafelis que devem ser utilizados diariamente diretamente na boca ou misturados ao alimento e água.

Alguns alimentos como alho, sementes de abóbora e a menta tem ação vermífuga. Sempre sugiro aos meus clientes que amassem dois dentes de alho crú e coloquem de molho em 200 ml de azeite de oliva extra virgem de garrafa escura e reguem as refeições com um pouquinho dessa mistura diariamente. Já a semente de abóbora deve ser seca ao sol ou torrada levemente em frigideira e triturada no processador ou liquidificador e utilizada na dieta 2 a 3 vezes por semana nas doses de 1 colherinha de café para cada 5 kg de peso. A menta ou hortelã menta, peço pra colocar duas a três folhinhas no bebedouro todo dia ou algumas folhinhas misturadas ao alimento diariamente.

Chateadíssima com a câmera apontada pra ela

5. Que remédios naturais podemos ter em casa como kit de primeiros socorros?
Muitas maravilhas da natureza devem estar presentes na nossa caixinha de primeiros socorros e serão imprescindíveis para evitarmos mais químicas na nossa vida. As mais mais pra mim são:
  1. Própolis verde extrato não alcoólico – além de aumentar a imunidade, trata infecções de garganta e respiratórias como ninguém! Além disso cura ferimentos, pode ser misturado a xampus ou água de enxágues para melhorar condições de pele. Excelente bactericida e fungicida!
  2. Babosa – um pezinho dela no quintal ou em um vaso da varanda faz toda a diferença. Usamos especialmente para queimaduras, hidratação da pele, como veículo para misturarmos outros ingredientes (própolis por exemplo) e aplicarmos sobre lesões e ferimentos. Como máscara corporal é maravilhosa, dando brilho ao pelo e maciez a pele. Também pode ser usada como supositório em casos de prisão de ventre, inflamação de glândulas anais e até como colírio. Outra forma de usá-la é internamente, misturada ao alimento para melhorar o trânsito intestinal. Essa planta tem tantos fitoativos que é praticamente uma farmácia ambulante, mas temos que tomar o cuidado de depois de cortar a folha deixa-la escolher o líquido amarelo que sai dela por pelo menos 30 minutos, daí lavamos bem a folha e descascamos o pedaço a ser usado. Esse líquido amarelo pode fazer mal se ingerido causando desconforto abdominal intenso e diarreia.
  3. Arnica montana – essa planta pode estar na farmácia de Primeiros Socorros na forma homeopática (eu gosto especialmente da 30 CH), na forma de óleo para massagens e compressas, como tintura. Todas as formas podem ser usadas em casos de traumatismos, pancadas, fraturas, recuperação de cirurgias e até traumas emocionais!
  4. Probióticos – esses são uma dádiva para a recuperação ou adequação do sistema imune. Cerca de 70-80% da imunidade dos nossos peludos e da nossa também, se dá a nível de intestino. Um intestino saudável faz uma imunidade funcional ao extremo. Além dos produtos comerciais podemos ter os probióticos naturais como o kefir e o rejuvelac, pérolas da saúde intestinal e imunidade geral.
São muitos os produtos naturais que complementam de forma simples e eficiente os cuidados com a nossa saúde e a de nossos animais! Temos uma postagem bacana no blog que fala de outros produtos pra ter em casa e levar nas viagens com o peludo.

6. Quais são as vantagens pros cães (e gatos) de se usar métodos mais naturais pra todas essas coisas?
Produtos naturais bem utilizados não intoxicam, não agridem e não sobrecarregam os sistemas orgânicos, em especial fígado e sistema urinário. Não interferem negativamente com a imunidade, não destroem a microbiota intestinal. Não tem efeitos colaterais. Melhoram a saúde como um todo, o custo/benefício é absurdamente maior e a segurança na utilização é muito boa.

Para quem quiser saber mais, a Carmen do Bicho Integral e a Sylvia do Cachorro Verde estão organizando o Holispet – Congresso Online de Cuidados Holísticos para cães e gatos, que é o primeiro evento brasileiro com a pegada natural na medicina veterinária. É online e vai acontecer entre os dias 19 e 26 de abril. Clique aqui para se inscrever e saber mais!