O ano de 2015 entrou nos seus últimos dias e, assim como ele, meu desafio também. Eu comecei o ano perguntando se dava para viver sem produzir lixo e passei todos os dias desse ano buscando alternativas para uma vida assim. Sim, dá para viver sem produzir lixo (desse que vai para o aterro sanitário), mas o caminho é longo e com alguns desafios mais desafiadores. Eu ainda produzo lixo (apesar da maioria das pessoas que falam de mim, falem que não produzo há um ano, não é verdade!) que vai pro aterro sanitário: o papel higiênico e agora o jornal com xixi e coco da Filózinha (por enquanto, não tenho o que fazer sobre esse segundo).

Eu acabei entrando num mundo incrível de consumo consciente, de menos lixo, de alternativas naturais, de mais respeito com o meio ambiente e com a gente mesmo. Essa jornada de descoberta foi e tem sido maravilhosa e eu não poderia estar mais feliz!

A gente desconstruiu a noção de que para ser sustentável, é preciso ser hippie, ir morar em uma fazendinha e usar tye-dye. Nada contra quem queira fazer isso, quem faça isso, mas precisamos de soluções que caibam no dia-a-dia das pessoas urbanas, que moram em cidades, em apartamentos, em grandes centros, que trabalham várias horas, que não podem (ou não querem) largar tudo. Precisamos reduzir o nosso impacto com soluções que todos possam fazer e não assumir um derrotismo de se não posso ir morar num sítio, não tenho no que ajudar. Aprendemos que temos, e muito: compras a granel, ter uma composteira em casa, trocar os descartáveis pelos reutilizáveis, ter um coletor menstrual, cosméticos naturais e feitos em casa, reduzir, reciclar, reutilizar, repensar.

A gente percebeu também que é um caminho eterno de trocas e ressignificações. Começa pelo guardanapo de pano e quando você vê, não está mais comprando roupas de fast-fashion. Não dá pra falar de lixo zero sem pensar na cadeia de cada produto que consumirmos.

E acho que uma das coisas mais importantes é que aprendemos que a calma é necessária para evitar frustrações. Não dá pra fazer tudo de uma hora para outra, mas cada pequena mudança é necessária e tem seu tempo para acontecer. O sabão em pó natural só vai aparecer quando o antigo acabar, para não gerar ainda mais desperdício. Não à toa eu ainda tenho um limpa-vidros aqui em casa, quase no fim (digamos que limpar vidros não é algo que eu faça com frequência, rs). A gente precisa entender que cada passo faz diferença e cada um tem seu tempo, o importante é começar a fazer.


Um passo de cada vez
A primeira coisa que fiz foi olhar pro meu lixo e ver o que diabos tinha lá dentro. Onde é que eu gastava mais lixo. E reconheci que fora de casa era um dos principais problemas. Aí eu bolei um kit de coisas para ter sempre na bolsa que iriam me salvar de produzir tanto lixo. Nele tem: talheres, guardanapo de pano e um copinho retrátil.


Duas das primeiras compras que fiz foram: a composteira doméstica e o coletor menstrual. Com a primeira, parei de jogar o lixo orgânico fora do pior jeito possível: em saquinhos plásticos, direto para o aterro sanitário. Esse lixo contamina, dáo mau cheiro característico e se degrada da pior forma. A segunda me fez parar de jogar no lixo os absorventes íntimos: uma mistura de algodão quimicamente tratado, plástico, papel, adesivo, cola, etc. 100% não-reciclável. Com o coletor menstrual, parei completamente de usar e precisar desses.


Depois disso comecei a ir atrás de lugares para comprar a granel. Comecei a comprar várias coisas, de arroz à castanhas. Hoje em dia, quase tudo que compro é em feiras e lojas a granel. Já quase não comprava industrializados, mas agora é quase zero.


Aprendi a fazer alguns cosméticos, descobri marcas mais naturais, sem tantos químicos - e aprendi o problema desses químicos também. Parei de pintar as unhas, uso só xampu em barra no cabelo e muitas máscaras de argila pro rosto. E aprendi como limpar minha casa só com vinagre, bicarbonato e sabão de coco!

O ano que vem
Ao longo desse ano, as coisas que mais incomodaram e que não consegui comprar sem embalagem foram: coisas pra casa tipo lâmpadas (tive que comprar várias coisinhas e ainda preciso, porque me mudei e faltam várias coisas aqui em casa), vinagre (testei uma receita do de maçã mas não ficou tão ácido, quero ver se melhoro e compro menos), cerveja (atualmente um dos principais responsáveis pelo lixo reciclável aqui de casa), azeite de oliva, morangos e cogumelos frescos (só acho embalados em bandejas de isopor), geleia e coisas pra passar no pão (minha maior dificuldade em produzir essas coisas é não saber receitas boas, vai ser um dos desafios futuros), ração pra Ninoca e pra Filó, areia da Ninoca, café.

Bom, como vocês devem imaginar, não, eu não vou "voltar ao normal". Acho que isso nunca vai acontecer, aliás. É um processo longo, mas duradouro de consciência e aprendizado. Pretendo intensificar a vida lixo zero, como finalmente instalar a ducha higiência para não precisar mais de papel higiênico! Vou fazer outro post com metas que ainda não defini e a gente volta a conversar, tá?

Pra finalizar, eu queria agradecer a todos os comentários aqui, no facebook, no instagram, os emails, as mensagens via inbox. Vocês são incríveis, mesmo mesmo, tanto que uma amiga já disse que somos o oásis da internet, sem comentários hater, só com dicas maravilhosas e sentimentos bons. Obrigada pela companhia, pelo suporte e continuem vindo aqui porque tem muita coisa nova pra acontecer :)

1. Teve a inauguração do Museu do Amanhã que acabou em: muito lixo na parte de fora do museu. Acho que as pessoas não entenderam muito bem a reflexão que foi proposta :( Ainda assim, quero muito conhecer esse lugar!



2. Tô em busca de um moletom usado para fazer essa caminha para pet super fofa (sem costura!), lá do blog Diycore com Karla Amadori :)

3. Também teve essa notícia linda! Agora o resíduo das feiras livres da cidade de São Paulo não vai mais pros aterros sanitários e vira adubo em composteiras gigantes! Muitos muitos claps, Prefeitura de São Paulo.

4. Esse projeto sensacional de dois australianos que consiste numa espécie de lixeira marítma. Ela fica na superfície e, através dum sistema de aspirar o ar, cria um vácuo que vai puxando os lixos ao redor. Depois é só limpar o filtro e tirar os plásticos que iriam para os oceanos.

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
Eu já falei aqui no último post o quanto amo datas comemorativas. E toda vez que alguém faz aniversário, é dia dos pais ou sei lá, a pessoa fez alguma coisa incrível como se formar eu tô lá pensando em algum presente pra ela. Gosto da ideia de colocar carinho em uma coisa, verbalizar e formalizar isso e entregar para a pessoa. E acho que nada mais legal que fazer um presente, por isso listei umas ideias pra gente se inspirar e fazer os presentinhos de natal:

Kit com granola salgada e suculenta da Seccos & Molhados

Para quem gosta de comida
Bem, todo mundo gosta de comida, né? Mas tem aquelas pessoas que gostam de cozinhar, de provar coisas diferentes, que falam sobre isso, que compram livros de receita. Para essas pessoas, você pode dar um kit de temperos comprados a granel, alguma comida que você fez (e vale uma receita sucesso, uma compota de frutas, geleias, e eu sugiro esse chutney de chilli do Jamie Oliver), um moedor com grãos de café, algum ingrediente novo como açúcar de coco, um kit de coisas gostosas que você sabe que a pessoa vai usar em outras receitas como lascas de laranja cristalizadas, castanhas e umas coisas diferentes que a gente acha nas lojas a granel.

Para quem você não vê com frequência porque mora longe
Mãe, pai, namorado, algum amigo que foi morar fora. Dá saudades, muita saudades. Acho que o melhor jeito de presentear alguém assim é fazer um cartão escrevendo o que você sente. Dá para imprimir fotos bonitas e fazer um caderninho com momentos especiais. Ou comprar uma moldura antiga em lojas de móveis usados e colocar uma foto ou um print com uma mensagem bonita. É um jeito bonito de dizer "ó, estou sempre aqui, me pendura na parede para não esquecer".

Para quem gosta de livros
Outro dia estava arrumando minha estante de livros e percebi que tenho vários que amo, são maravilhosos, mas que eu queria que mais pessoas lessem. É uma ótima oportunidade de pegar um livro seu, com carinho, escrever uma dedicatória e dar para uma pessoa que você sabe que vai aproveitar aquela leitura.



Para quem gosta de cosméticos
Quem é que não gosta de se cuidar? Hidratante para pele seca, tônico para limpar a acalmar pele sensível (e no pós-barba), batom, óleo vegetal, sabonete artesanal, esfoliante. Todos esses tem versões feita em casa que não só serão mais saudáveis por não conterem mil ingredientes tóxicos como podem ser feitos com cheirinhos, tamanhos e embalagens sob medida para os amigos. A receita do hidratante que faz tanto sucesso aqui no blog é ótima para dividir em vários potes pequenos! O tônico com chá também é fácil e uma alternativa tão gostosa de se fazer e passar. Além de todo o carinho envolvido, também tem o incentivo de se usar e confiar em um produto feito em casa, principalmente para quem ainda torce o nariz. Espalhando boas ideias (e hidratantes) por aí.

Para quem gostou de alguma coisa sua que você não usa
Sabe aquele seu amigo que foi um dia na sua casa e pirou no vinil da banda favorita dele, mas que você nem ouve? Ou aquela amiga que ama muito aquela camisa que você nunca mais usou? Taí uma oportunidade para dar essas coisas de presente para essas pessoas, devidamente embrulhados e acompanhados de um cartão.

Embalando com carinho - e sem lixo
O melhor jeito de embalar os presentes é esquecer os papéis, laços e fitas. Os japoneses tem uma técnica muito bonita de embalar coisas com tecido que chama furoshiki. Pegue um quadrado de mais ou menos 80cm de tecido e, usando as técnicas do furoshiki, amarre seus presentes. Além de dar o conteúdo, você também tá dando esse tecido que a pessoa poderá usar como guardanapo, como lenço, para embrulhar compras do mercado, etc. E é bom surpreender :)

Algumas ideias para embrulhar os presentes usando a técnica do furoshiki: lá em cima são duas garrafas, depois livros e um potinho com alça (que pode valer para potes em geral)


Para continuar as ideias:
- Essa listinha da Rafaela é mais que completa. Adorei a ideia de dar as recompensas de projetos de crowdfunding porque une ajudar um projeto legal + presentear alguém querido com algo muito legal.
- Escolha de quem faz: seja a marca, a roupa, o sapato, o acessório, o quadro.
Eu adoro Natal, festas de fim de ano, aniversário, tudo que é data comemorativa. Muito mais que pelos presentes, mas pelas comidas (sinceridade, rs) e porque sempre reunimos várias pessoas queridas para comer (sou dessas). Eu não gosto da obrigação de dar presente, detesto do fundo do coração amigo secreto e acho pior ainda presente dado sem carinho. Nessa época, a obrigação de dar presentes é tão grande que quase sempre damos coisas que as outras pessoas não precisam, não gostam ou não querem.

Por isso eu queria propor duas coisas diferentes nesse fim de ano: dê presentes feitos por você, com carinho ou dê presentes para iniciativas legais que precisam de ajuda. Nesse post vou falar de jeitos de ajudar projetos legais e no próximo, jeitos de fazer presentes queridos:

Essa é a Pistache, que eu teria adotado já se ela não fosse positiva pra Felv


Ajude uma ONG que cuida de animais resgatados e abandonados
Tanto Nina, minha gata, quanto Filó, minha cã foram adotadas. A primeira porque a mãe era fujona e não dava tempo de castrar, ela conseguia um jeito de ficar grávida de novo – foram umas três vezes até os donos conseguirem castrar. A segunda porque alguém abandonou 5 filhotinhas recém-nascidas, de no máximo 15 dias em um dia de chuva torrencial – e elas ficaram tão fraquinhas que duas morreram :(
Existem muitas pessoas que pegam bichinhos abandonados e cuidam, castram, vacinam e disponibilizam para adoção responsável. Procure quem faz isso na sua cidade e veja como você pode ajudar. Geralmente eles aceitam doações, têm vale-castração, dá para apadrinhar algum bichinho, comprar algum produto feito por eles cujo lucro vai pros bichinhos, ir lá fazer carinho neles (o Adote um RonRom daqui de Floripa tem tudo isso). Se você tem um projeto assim, comenta aqui no post para as pessoas saberem e ajudarem :)

Colabore com um crowfunding de algo que você acredite
Já falei ontem do app do Roupa Livre aqui e existem muitos financiamentos coletivos de ideias sensacionais. É muito bom fazer parte da construção de um mundo melhor apoiando pessoas que queiram fazer coisas boas. Tem esse projeto para a construção de uma biblioteca e esse de repovoamento do Rio Doce com alevinos de peixes nativos e essa vaquinha para os gastos com os gatinhos do Adote um RonRom.

Separe peças de roupa, cosméticos e outras coisas que você pode doar
Lembre de lavar tudo e entregar só coisas que estejam em perfeito estado de uso! Alguns lugares aceitam as doações para fazer um brechó para arrecadar fundos pra instituição e outros aceitam para doar para pessoas que precisem desses itens. Você pode fazer um brechó com amigas e doar o dinheiro das vendas para algum lugar também!

Escolha, junto com seu filho, brinquedos para doação
Tinha uma priminha minha que, todo ano, separava brinquedos que não queria/não gostava junto com minha tia. Sempre achei uma atitude muito legal porque as crianças realmente tem brinquedos demais e isso ensina elas desde cedo a querer e precisar ter menos coisas com um plus de ser mais solidário e dividir. Melhor que isso só se vocês forem juntos em alguma instituição para entregar em mãos os presentes!

Adote uma cartinha dos correios com pedidos de crianças
Você precisa ir em algum posto dos Correios da sua cidade que seja um posto dessa ação (clica aqui pra ver) e pedir uma cartinha. Nela vai ter o pedido de uma criança. Você compra o presente que a criança pediu e os Correios enviam até a casa dela :) Dê uma olhada no prazo de entrega! Algumas ainda estão recebendo!
1. O aviso mais importante da paróquia sem lixo é que estão acabando os dias para o crowfunding do aplicativo do Roupa Livre. A ideia é fazer um aplicativo que funcione que nem o Tinder, só que para achar a roupa-alma-gêmea. Se você gostar da peça da pessoa que gostou da sua, você combinam de trocar e voilá! Mas pra isso acontecer e sair do papel, você precisa ir agora lá no link e colaborar! Tem muitas recompensas incríveis (tem até uma palestra virtual comigo, tem livro do Oficina de Estilo, tem workshop, oficina, etc)!

2. Esse mapa colaborativo mapeia sabe o quê? Árvores frutíferas pelas cidades do Brasil! Você pode incluir as árvores de goiaba, pitanga e abacate que conhece, é só clicar aqui.

3. E eu achei a eureca pra vender: chocolate 70% sem lactose a granel! Pra quem me segue no instagram, também teve uma surpresa canina :)


4. E vocês viram o bloguinho arrasando lá no Hypeness? Eita que estamos chiques demais <3

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
1. Essa receita de repelente natural que a Bela Gil (queridíssima) postou é realmente super eficaz. Meu pai tem uma parecida, só com mais infusões (folhas de citronela e canela). Um jeito de se proteger dos mosquitos, principalmente em tempos de tantas doenças sendo transmitidas pelo aedes.

2. Uma receita super fácil, linda e gostosa de um esfoliante gelado e hidratante usando açúcar e óleo de coco. Não deixem de ver todas as receitas desse site, é maravilhoso!

3. Esse vídeo! Entrem e vejam esse vídeo AGORA. São três receitas de batons naturais usando frutas que colorem naturalmente a boca! Tô doida pra fazer um pra mim <3

4. Eu lembrei do meu post sobre os coletores menstruais e como foi uma das mudanças mais maravilhosas desse projeto. Clica aqui pra ler se você não sabe o que é e descubra um mundo sem absorventes femininos descartáveis ;)

5. Esse texto da Anna Haddad pro Modefica acerta em cheio: por que consumir menos não é uma missão simples para as mulheres.

6. Em tempos de black friday, Natal, presentes, pensem em ao invés de comprar, selecionar coisas para doações, dar esse dinheiro para instituições que ajudam causas sociais, desastres, pessoas em situação de risco, etc. E aproveitem para não encher os cartões de dívidas de coisas que eram desnecessárias ;) E leiam esse texto do Review Slow Lifestyle sobre isso.

7. Pirei muito nessas 9 receitas de produtos de limpeza para fazer em casa, de um blog gringo. Quero muito testar mais receitas, principalmente de um limpador mais potente. Aguardemos.

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.

Uma das saídas para um guarda-roupa sustentável é comprar de marcas que se preocupem. Que se preocupem com a matéria-prima, com a produção, com as pessoas que produzirão, com os resíduos, com a durabilidade e vida-útil da peça, com todos os impactos que o pós uso pode causar.

Mas não existe saída perfeita: mesmo a marca mais preocupada com tudo isso vai estar causando impacto no meio ambiente. O segredo é quanto esse impacto é minimizado com ações dentro e fora da empresa, com os consumidores e com o mundo exterior, através do que for possível.

Por isso, lembrete: antes de comprar algo novo, avalie o que você já tem e veja se não consegue um de 2ª mão. Se não der, procure comprar de marcas de perto, que você confie nos valores e pensem no impacto que vão causar.


1. Insecta Shoes
A Insecta, que a gente já falou aqui, é uma marca feita por mulheres usando o conceito do upcycling, ou seja, ressignificando roupas de brechó e transformando-as em sapatos lindos, únicos e cheios de estilo. Além disso, a borracha do solado também é feita de material reciclado e é fabricada artesanalmente lá no Rio Grande do Sul. Eu posso garantir que vale a pena: os sapatos são os mais confortáveis que meus pés já pisaram. Eram só sapatinhos estilo tênis, mas agora também tem os modelos sandália e slipper. Tem masculino e feminino!
Para comprar: loja virtual.


2. Folk Boots
A Folk Boots faz botinhas cano baixo ou cano médio, as Junes e Johnnys. O cabedal é feito de tecido que sobra de estofarias, por isso as estampas são lindíssimas. Eles acabaram de passar por várias mudanças, do tecido do interior que ficou mais fofinho à reforços nos calcanhares e na parte da frente das botinhas, pra aguentar por muitos anos. Quer coisa melhor que sapato que dura anos?
Para comprar: loja virtual.


3. Verssa Shoes
A Verssa é uma marca gaúcha de alpargatas pensadas em vários pontos para ser sustentável. O solado é de borracha reciclada e os tecidos feitos de algodão e/ou garrafa PET. Além disso eles tem responsabilidades sociais como o comércio justo, impressão digital para diminuir o uso de água nos tecidos e couro curtido com vegetal para diminuir o uso de cromo e a consequente poluição das águas. Unissex, né? :)
Para comprar: loja virtual.


4. Ahimsa
A Ahimsa é uma daquelas marcas-achado: com uma linha super completa de sandálias, sapatilhas, sapatos, mocassim, botinhas, feminino e masculino. São sapatos veganos, sem nada de origem animal, muitos com tecidos com fios de garrafa PET reciclada, solado com cortiça natural e o processo feito para ser menos impactante. Achei super legal ver as fotos dos artesãos lá na aba que fala sobre a marca, com nome e tudo. Gosto muito que os sapatos sejam super neutros, básicos, atemporais. Sou apaixonada, mesmo sem ter nenhum :)
Para comprar: loja virtual.

5. Riva Sandálias
Achei a Riva no instagram e fiquei bastante apaixonada. São sandálias lindas, bem coloridas, com a cara de onde são feitas: no Rio de Janeiro. Feitas à mão, veganas, em baixa escala (e pelo que entendi no site, muitas vezes em um esquema por encomenda, porque sempre tem todos os modelos e cores disponíveis), com couro vegetal. Mesmo nos casos como esse que os sapatos não tem uma maior preocupação ambiental (no sentido de usar material reciclado, por exemplo), eles são muito menos impactantes dos que os feitos 3 continentes de distância. Local e de perto é sempre melhor.
Para comprar: loja virtual.
Fazia tempo que eu não ficava tão atarefada e não conseguia dar muita atenção aqui! Vou juntar os links das últimas duas semanas pra gente voltar ao normal, oks?


1. Um dos motivos deu ter sumido foi a preparação pra dar uma palestra & workshop no SESC Sorocaba, que rolou na última sexta-feira. Foi muito muito legal, as pessoas todas que foram eram incríveis <3 Muito obrigada pela presença, viu?

Os potinhos vazios à esquerda e cheios de hidratante natural à direita, uma das receitas que ensinei no workshop e todos levaram uma amostra pra casa :)

2. Tô achando que vou postar aqui todas as matérias dessa edição sobre consumo consciente da Revista Tpm! De projetos armário-cápsula conhecemos muitos e muitas pessoas aderindo, né? Sinto uma onda de pessoas querendo destralhar os guarda-roupas (alô efeito Marie Kondo e A mágica da Arrumação!) e acho isso super legal por 1) diminuir a necessidade de roupas e de consumir roupas novas 2) entender melhor as roupas que você tem no armário 3) melhorar o jeito que você se veste e comprar peças novas que falem mais e melhor de você e 4) usar mais vezes e prolongar a vida útil das peças. Ao mesmo tempo que: lembrem-se sempre que não há reciclagem de têxteis no Brasil, por isso um esforcinho a mais na hora de separar as roupas, vender, trocar e doar é imprencindível para que aquelas peças realmente sejam usadas depois. E esse projeto da Daniela, Less Is The New Black, é a simplicidade traduzida. Menos é mais ;)

3. E falando em Revista Tpm, quem é que tá lá esse mês numa matéria falando sobre receitas de beleza natural? Euzinha! Tem a matéria no site e também na versão impressa <3 Muita alegria! 

4. Teve esse vídeo com duas receitas naturais e bem simples de xampu seco: uma para cabelos claros e outra para cabelos escuros. Eu confesso que não me imagino usando porque meu cabelo é super oleoso, então só lavando pra ele ficar limpo mesmo.

5. Eu também saí nessa matéria da Gazeta do Povo sobre lowsumerism, como personagem em busca do menos, que é o que esse estudo identificou como tendência de consumo atual.

6. Vários movimentos sociais assinaram um pedido para a Ministra da Agricultura, Katia Abreu, aprovar o Programa de Redução de Agrotóxicos.

7. O Fleety é esse sistema de compartilhamento de carros muito legal! Dá pra alugar para outras pessoas o seu se você usa pouco ou alugar um se você não tem para aqueles momentos especiais que um carro é bem-vindo. Já funciona em Curitiba, São Paulo e agora aqui em Floripa!


8. Essas mulheres com cabelos gigantescos que moram em um vilarejo na China e lavam as madeixas com uma água de arroz (!). Sorry, L'Oreal. 

9. E o Pronara (Programa Nacional de Redução do Uso de Agrotóxicos) foi finalmente lançado e ele vai ser super importante para reduzirmos o uso desses venenos que tem tantos efeitos ruins em todos envolvidos na cadeia de produção dos alimentos.



Meu guarda-roupa vintage charmoso

Eu percebi que definitivamente sou um ponto fora da curva quando se trata de guarda-roupas. A maioria das coisas que tenho ali tem vários anos. Mas eu não tô dizendo isso pra me comparar com ninguém e dizer como sou melhor. É só que, por algum motivo, eu sempre fui muito apegada às minhas coisas e quero que elas durem 10 anos, não 6 meses. E quando compro coisas novas, espero que elas cumpram essa função. Mas eu nunca fiz isso muito pela sustentabilidade em si, mais por conta do dinheiro (gasto em panelas e toalhas mas não gasto em roupas).

Ter um guarda-roupa sustentável não é nem só comprar roupa usada, nem só não comprar roupa, nem só ter roupas feitas com algodão orgânico. Ter um guarda-roupas sustentável é ter aquilo que você vai usar e usar tudo aquilo que você tiver. É cuidar, é questionar e se preocupar.

Você não precisa comprar uma peça nova todo mês
Definitivamente não precisa. Eventualmente você precisa de um vestido novo, um casaco, umas blusas. Não todo mês. Não adianta parar de comprar de lojas fast fashion e continuar agindo com uma consumidora de fast fashion.

Tenha menos
Abra seu guarda-roupa e conte quantas peças têm lá. Mais de 100? Mais de 200? Isso não é sustentável em nenhum aspecto, mesmo que tudo aí dentro seja reciclado, de algodão orgânico e feito com mão de obra justa. E seja sincera: você usa tudo o que tem no seu guarda-roupas? Ter 100~200 peças com certeza garante uma bela folga entre o uso de uma peça até chegar na última, sem repetir. Pense em fazer uma mala com as coisas que você mais gosta e mais usa e vai ter a resposta pras peças que deveriam ficar aí dentro.
Iniciativas como a Roupateca e a Lucidbag, bibliotecas de roupas onde você aluga peças por alguns dias também são muito legais. A gente não necessariamente precisa ter aquela peça, pode usar por um tempo e depois devolver.

Tenha melhor
A chave para um guarda-roupas sustentável é ter roupas de qualidade. Isso significa materiais que durem mais lavagens, bom acabamento e modelagem. Isso também provavelmente vai significar um custo maior por peça, porque algo bem feito custa mais caro. Mas lembre-se: qualidade é melhor que quantidade.

Cuide bem
Aprender a lavar, quantas vezes lavar, passar, como dobrar e guardar de um jeito que a peça não deforme é super importante. Não adianta ter aquele casaco maravilhoso e jogar na máquina de qualquer jeito para quando tirar perceber que ele encolheu três números. Dá pra usar menos sabão em pó na lavagem, dá pra usar esse sabão que faço que é bem menos agressivo, parar de usar amaciante e trocar pelo vinagre e garantir menos agressão às fibras do tecido.

O produto mais verde é aquele que já existe
Vou sempre bater na tecla que comprar usados é mais legal do ponto de vista ecológico porque é um produto que já foi produzido. Mas não adianta encher o guarda-roupas de peças usadas só porque é baratinho. E, às vezes, comprar uma usada de péssima qualidade é pior que uma nova mas de alta qualidade e que vai durar muito. Ainda assim, nem todo mundo consegue achar o que precisa sendo usado, seja por conta do tamanho, seja por conta do estilo.

Consuma consciente
Além de saber que você não precisa de muitas peças, é importante saber de quem você está comprando. Compre mais do pequeno e pare de comprar das grandes redes de lojas. Procure marcas que tenham materiais e produtos finais de alta qualidade. Marcas que se preocupem com a produção, que ela seja feita no Brasil e seja justa. Marcas que falem sobre consumo consciente, que queiram que você tenha uma peça de roupa só se você realmente precisar dela. Marcas que tenham preocupação com o custo ambiental da sua produção, seja buscando materiais mais sustentáveis seja criando produtos sob novos olhares (como o upcycling e a ressignificação).

Se responsabilize pelo depois
No Brasil não temos reciclagem de tecidos. O que significa, em suma, que as roupas que não são mais usadas vão pros aterros sanitários, sem chance de reciclagem. Por isso, mesmo que a tentação de comprar seja enorme, pense em quanto tempo essa peça não estará anunciada na sua lojinha do enjoei ou numa caixa de doações. O mínimo que podemos fazer é aproveitar muito bem aquela peça, usá-la até o fim da sua vida, para compensar todo o custo ambiental da produção e tingimento do tecido, do transporte, da manufatura, das lavagens, etc.

Ah, e se você já tem tudo que precisa no seu guarda-roupas: não compre mais. Não comprar é, muitas vezes, o ato mais sustentável que você pode tomar.

Continue lendo sobre:
- Como avaliar a qualidade da roupa
- Aula de manutenção das roupas parte I (dicas de lavagem e armanezamento)
- Dica para manchas em roupas
- Mais posts sobre consumo consciente lá no Oficina de Estilo
- Para onde vão as roupas usadas que saem do seu armário
- O que fazer com as peças de roupa que você não quer mais
- Mapa colaborativo com: costureiras, lugares para doar, cursos, marcas legais, brechós

Esse post é o resultado da conversa com as meninas da Oficina de Estilo e a Fê Canna, lá no twitter.

1.Tenho uma notícia linda & maravilhosa pra vocês (em especial pra São Paulo). Teve a inauguração da 1ª Pop-Up Store da Insecta Shoes lá na House of Bubbles, um projeto que também é uma biblioteca de roupas. Clica aqui para saber mais.

2. Olha só que projeto lindo: o Instituto Guandu recolhe o lixo orgânico de alguns restaurantes de São Paulo e transforma todo esse material em um adubo maravilhoso. Por um país com mais iniciativas assim! Clica aqui para saber mais.

3. A leitura da semana fica por conta desse texto da Fê Canna sobre o movimento que chama Lowsumerism (que já falamos aqui). A gente aprende como praticar esse movimento do menos consumindo menos, tendo menos e precisando de menos :)

4. Esse terminal de ônibus no Rio ganhou uma máquinha de reciclagem que troca as embalagens por créditos para passagens. Muito legal e deveria ter em todos os lugares.

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
1. Saiu um episódio do Podcast "Ouvindo Abobrinhas" comigo sobre cosméticos e produtos de limpeza naturais. Esse podcast é dos amigos Chile e Flávia, do blog Tô Puta e Vou Cozinhar! Vem ouvir que ficou uma conversa super legal e vocês podem conhecer minha voz <3

http://www.therogueginger.com/2015/10/avocado-seed-shampoo.html

2. As sementes de abacate são uma das coisas meio... chatas (?) de se colocar na composteira. Eu sinto que elas nunca vão se decompor, mas coloco ali já que não tem muita opção. Daí que a The Rogue Ginger fez essa receita de XAMPU a partir da semente do abacate!!! D: Ainda vai um pouco de xampu pronto (tem várias marcas de líquido sem sulfatos, parabenos, etc), mas fiquei curiosa pra testar e ver se funciona sozinho! E raladinha, a semente deve se decompor mais fácil.

3. Menos consumo, mais comida saudável, menos empregos no modelo antigo, mais economia colaborativa = amor. Esse texto nos lembra que algo de grandioso está acontecendo no mundo.

4. Quando chega a hora de se desfazer das coisas que você não gosta mais, fica sempre aquela dúvida: o que fazer? Doar? Jogar fora? Onde joga? O fim da vida também é importante, assim como escolher de quem comprar. Esse post tá certeiro em tudo!

5. Novidade na área: existe um "couro" sintético feito das fibras do abacaxi! E parece sensacional, clica aqui pra ver.

6. Cerca de 70% do que os brasileiros consomem vem da agricultura familiar e ela foi chave para a erradicação da fome aqui! Um belo lembrete e incentivo de comprar de quem produz :)

7. Esse vídeo mostrando a decomposição de uma fruteira com uma surpresa no final.

Semana passada foi tão corrida que não teve links da semana, por isso juntei as duas últimas nesse post ;)

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
Hoje teve um evento dentro da Semana Lixo Zero que tá acontecendo aqui em Florianópolis e em outras cidades e tiveram várias palestras com coisas tão legais que eu quis compartilhar com vocês.

INICIATIVAS AQUI NO BRASIL

André, da Cempre falando na Semana Lixo Zero

Fiquei super feliz em ver que a Cempre Brasil​ estava lá. Eles são uma ONG que ajuda empresários, cooperativas e prefeituras a gerir os resíduos e aumentar e melhorar a reciclagem de materiais. Ou seja, você pode contar com eles para capacitar equipe de catadores, ajuda para a cidade implementar a coleta seletiva (com recurso federal, destinado pra isso) entre outras dúvidas

Uma das coisas que me deixou bastante surpresa foi a iniciativa dos Supermercados da Rede Angeloni​ (daqui de SC) terem adotado uma política lixo zero. Aqui em Florianópolis eles destinam todas as comidas estragadas (que não podem ser doadas, porque o que está bom é doado) para uma instituição de tratamento de dependentes químicos que faz a compostagem desse material (que trabalho maravilhoso esse, aliás). Eles tem todo um processo de manejo dos resíduos dos supermercados que faz com que apenas 5% (mais ou menos) do lixo gerado seja enviado aos aterros sanitários! O resto dos resíduos ou é reciclado ou compostado ou reaproveitado.

Apesar de ter algumas ressalvas por ser um supermercado que vende muito lixo nas embalagens acho que é um modelo muito legal a ser seguido. Afinal de contas, ainda existem e vão por muito tempo existir os mercados convencionais. Então é melhor a gente lidar com esse processo do melhor jeito enquanto não temos só mercados sem embalagem ou outro modelo de negócio.

Parte dessa comida que é doada, como eu falei, é encaminhada para o projeto Mesa Brasil, dos Sesc​. Eles coletam comidas que por N motivos não vão mais ser comercializadas mas que estão boas para o consumo e entregam em instituições carentes e com cunho social. É um projeto incrível de combate à fome e ao desperdício também. E existe em muitas cidades do Brasil, acompanhando os SESC :)

INICIATIVAS LÁ DE FORA

Steven Chin, da SF Enviroment de São Francisco, nos EUA, falou sobre as iniciativas para ser uma cidade lixo zero. A meta é chegar nisso em 2020 e pra isso eles tão investindo em aumentar a reciclagem e compostagem. Sim, porque lá dá para colocar o lixo orgânico em um lixeiro e a prefeitura recolhe!

http://uasz.com.br/2015/10/playboy-sem-mulher-pelada-sustentabilidade-noivos-e-photoshop.html
São Francisco, uma das cidades mais sustentáveis dos EUA

São Francisco foi a primeira cidade do mundo a criar uma lei que tivesse essa política de reciclagem e compostagem, lá em 2009. Eles proibiram em 2007 o uso de isopores e também sacolinhas plásticas em supermercados – e em 2012/3 eles atualizaram a política das sacolinhas proibindo em todas as lojas e obrigando os lojistas a cobrar por elas (o que reduziu em mais de 50% o uso delas). Agora eles estão em uma briga com as garrafas descartáveis de água, querendo proibí-las e trocá-las por garrafas reutilizáveis.

O que eles querem, antes de mais nada, é uma cidade melhor de se viver. Achei muito incrível a seguinte frase do Steven: "o que queremos é transformar reutilizar sua sacola, levar seu copo para beber café e seus potes e sacolas para fazer comprar em algo normal". E ele comparou com como fumar em todos os lugares como em aviões era aceitável e tido como normal e hoje é algo tão absurdo.

Não dá vontade de juntar os trapos, pegar o namorado e a gata (meu caso) e ir pra lá agora?

Sandra Nordstrom, do The Good Tribe, falando na Semana Lixo Zero

A Sandra Nordstrom é minha nova meta de vida: quero ser que nem ela. Ela é criadora do The Good Tribe, uma empresa de empreendedorismo social que dá consultoria em sustentabilidade e criatividade. Eles trabalham com a ideia de que não deveria existir desperdício aliado à capacidade e potencial humanos, usando seus (nossos) talentos para resolver esses problemas. E isso tem tudo a ver com a frase a seguir:


Um ponto super legal que ela falou foi que nós, enquanto sociedade somos uma crianção humana. Então tudo que está dentro dela (o modelo de negócios da economia atual, o conceito de desperdício) também é e só cabe a nós a mudar esses conceitos. Nós já ultrapassamos quatro dos nove Limites Planetários e se não mudarmos o modelo de economia, vamos sofrer as consequências de usar mais do que o planeta aguenta.

Como o evento era voltado para empresários, principalmente do setor de supermercados, Sandra frisou que são infinitas possiblidades de negócios lixo zero. Sim, elas existem e são infinitas! O que a gente precisa é pensar fora da caixa e reinventar processos e negócios. Aí ela citou três empresas: H&M que financiou um estudo para conseguir reciclar tecidos e hoje tem mais de 3 mil pontos de reciclagem nas suas lojas; a Desso, uma marca de carpetes que mudou seu posicionamento para ser um carpete 100% reciclável e de material reciclado, feito com energia renovável e com responsabilidade social; e a Patagonia, uma marca de roupas que mudou toda sua lógica e agora produz peças duráveis, recebe peças usadas e transforma-as em novas entre outras iniciativas sustentáveis.


A The Good Tribe também tem uma iniciativa que achei muito incrível: a Zero Waste Jam (Geléia Lixo Zero). Eles perceberam que, lá na Austria, existiam várias árvores frutíferas cujas frutas não eram aproveitadas pelas pessoas e que os mercados descartavam muitos alimentos só porque eles eram "feios" e passaram a fazer geleias e todos os tipos de compotas com esses alimentos. Além disso, são refugiados da atual crise que acontece lá na Europa que fazem essas compotas. Eles ganharam uma oportunidade de trabalho e vão aprender a língua mais rápido. Inclusão social + sustentabilidade. Lindo, né?

Achei as falas e todos esses exemplos histórias inspiradoras e maravilhosas. Apesar de problemas na tradução e um coffee break cheio de lixos descartáveis, acho que a iniciativa da Semana Lixo Zero super importante para discutir também com empresários sobre esse tema. Espero que seja uma terça-feira muito inspiradora pra vocês também. ♡

A gente já falou aqui sobre os problemas dos produtos de limpeza convencionais, mas sempre é bom lembrar que eles são altamente tóxicos. Isso porque além dos químicos que seriam suficientes pra limpeza esperada, eles têm coisas como alcalinizantes, sequestrantes (!), branqueadores, detergentes. A gente não sabe muitos bem o que essas coisas são, mas usamos os produtos com a total confiança, certo? Bem, a maioria desses químicos pode causar alergias (tanto que não se recomenda usar sabão em pó normal para lavar roupas de bebês), agride nossa pele (vocês já mexeram sem luvas com sabão em pó?) e, claro, agride muito o meio ambiente (principalmente os ativos que criam uma espuma difícil de se dissolver).

E aí, não tem solução? Tem sim. A gente precisa basicamente de um sabão para lavar as roupas e uma ou outra coisa que potencialize essa ação já que não vamos esfregar as roupas. Existem algumas opções prontas de sabões ecológicos, mas elas são geralmente bastante caras – o que pode ser um ponto importante para você não conseguir usar essas marcas. Nessas pesquisas todas descobri uma receita super fácil de sabão e resolvi testar. Além de barata, ela é ecológica e dá pra fazer em casa (e segura para bebês)!

Você vai precisar de apenas três ingredientes:
- sabão de coco em barra: atente para os ingredientes desse sabão. Ele tem que ter poucos ingredientes, geralmente: óleo de coco (de babaçu), hidróxido de sódio (soda cáustica, necessária para transformar o óleo em sabão), álcool, carbonato de sódio. Uma lista muio extensa de ingredientes é sinal ruim e é o que geralmente acontece: os sabões de coco geralmente são só a fragância do coco.
- bicarbonato de sódio: o bicarbonato é um dos nossos queridinhos da limpeza. Um sal com Ph alcalino, ele ajuda o sabão a lavar bem as roupas mais profundamente.
- carbonato de sódio: parecido com o bicarbonato, ele é usado em sabões e detergentes com duas funções. A primeira é reduzir a dureza da água (o que significa diminuir a tensão da água e por isso eu entendo facilitar a lavagem) e como alcalinizante (deixar o Ph da água mais alcalino, assim como o bicarbonato).
Ele não é tão fácil de achar quanto o bicarbonato, mas você pode fazer em casa! Sim, clica aqui pra entender como fazer carbonato de sódio a partir de bicarbonato de sódio (em inglês). Mas o processo é basicamente colocar o bicarbonato no forno por cerca de 40 minutos.

Como fazer:

1. Rale a barra de sabão. Eu uso a lâmina de ralar do meu processador de alimentos, porque dura 5s e meu ralador é ruinzinho.


2. Depois de ralada, passe ela no processador na lâmina de triturar ou no liquidificador. A intenção é que ele fique perto de um pó, porque quanto menor, mais fácil de dissolver lá na máquina. Dessa vez, acho que pelo sabão estar úmido porque chove há 20 dias aqui, ele não ficava em pó. Então eu coloquei um pouco do bicarbonato junto e deu certo :)


3. Aí é só adicionar o carbonato de sódio e o bicarbonato de sódio. Nessa receita eu usei uma barra de 100g de sabão que rendeu cerca de 1 xícara de sabão ralado e então 1 xícara de cada um dos sais.

É opcional: colocar óleos essenciais como o de lavanda pra dar cheirinho. Eu ainda não coloquei porque não achei o óleo essencial por aqui, e enquanto isso a roupa sai sem cheiro nenhum, só com um leve cheirinho de sabão de coco.

Quanto eu uso:
- para uma máquina de 8kg cheia: 6 colheres de sopa ou 4 se tiver pouco sujo (roupa de cama, por exemplo)
- para uma máquina de 8kg pela metade: 2 colheres de sopa ou 4 se tiver muito suja

Quanto rende:
- 300g de sabão em pó pronto (essa receita) rende cerca de 10 lavagens com a máquina cheia (depende o tipo de roupa e a sujeira dela).


Onde comprar:
- Sabão líquido para roupas da BioWash, R$20,75
- Sabão em pó de coco, Roma, R$27
- Sabão líquido para roupas da Milão, R$12
- Sabão em barra da Milão (100g), R$4,50
- Sabão em barra da UFFE (1kg), R$13

(coloquei os links, mas vocês podem perguntar e pesquisar nas lojas físicas e mercados da sua cidade, provavelmente será mais barato e sem a embalagem dos correios!) 

1. Teve esse kit sensacional da Cogubras para "criar" cogumelos em casa e a embalagem de vidro! A que existia antes (e por acaso eu tenho) é de papelão, mas tem um saquinho plástico dentro e uma esponja e um elástico para vedar. Essa opção é mais legal <3

https://www.facebook.com/NowThisNews/videos/874691525954306/

2. Teve esse vídeo sensacional mostrando como muitos shoppings & prédios comerciais poderiam ter telhados assim. Não é incrível pegar todo o lixo orgânico, transformar em adubo e, de quebra, ter uma horta (que pode ser orgânica)? Por um mundo mais verde, mesmo no meio dos prédios :)

3. Esse post do Modefica sobre o salão de beleza A Naturalista me deixou com vontade de pegar as malas e ir até SP cortar os cabelos. Esse salão não usa parabenos, sulfatos, são todos tratamentos naturais, com argila, e uma pessoa por vez, sem muvuca.

4. E no fim do mês tem workshop da Marina Colerato, fundadora do Modefica, lá em Curitiba. Vai ser sobre moda consciente e, se eu fosse vocês, iria porque com certeza vai ser muito legal :) Clica aqui pra saber mais.

5. E teve esse vídeo-receita com essa cera de se depilar feita com apenas três ingredientes: açúcar, limão e água. Tô doida pra testar e contar pra vocês se funciona mesmo!

6. A Janet Sarahu começou um projeto muito legal, o Project Grabage. Ela vai documentar, toda semana e por um mês, a quantidade de lixo que produzir (inclusive os recicláveis). É impressionante ver como, mesmo quando a gente acha que está sendo mais consciente, ainda produz uma imensidão de resíduos.

Essa semana tá toda atrasada, né gente? Mas tão aqui os links, finalmente :)

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
Depois do post com a rotina de cuidados pro rosto, muita gente veio me perguntar sobre os cuidados pros cabelos. Queria dizer pra vocês que minha rotina consiste em: lavar com xampu. C'est fini. Só. Sim, só isso. Eu não passo condicionador nenhum, não faço máscara de tratamento, só lavo o cabelo. Mas eu sei que sou exceção pela genética do meu cabelo e pelo jeito que lido com ele também. Preparei um super post completo com todas as etapas e opções para quem quiser mais que só lavar os cabelos :)

Antes da gente falar sobre cada etapa, vamos assinalar aqui os ingredientes que devem ser evitados nesses produtos: parabenos, óleo mineral ou parafina líquida, sulfatos, petroquímicos e silicones. Para saber como achar esses ingredientes na composição dos produtos, dê uma lida nesse guia e nesse também. Os xampus e condicionadores convencionais são extremamente agressivos na limpeza e, se não fossem vários ingredientes como silicones e parafinas, nossos cabelos seriam extremamente ressecados e opacos. O que significa que quando a gente parar de usar esses produtos, os fios provavelmente vão ficar feios por um tempo. Para saber como fazer a transição para produtos naturais, leia esse guia da Nyle, do blog Lookaholic.

A importância de mudar para produtos naturais sem esses ingredientes é que: 1. eles são potencialmente cancerígenos em sua maioria; 2. muitos são alergênicos e irritantes; 3. muitos são muito agressivos para pele, cabelo e etc; 4. são tóxicos também para o meio ambiente já que descem pelo ralo; 5. de forma geral, esses produtos produzem muito lixo nas suas embalagens.



LIMPEZA

1. Com xampu
Bem, precisamos lavar os cabelos e o método mais conhecido é o xampu. O menos impactante em termos de embalagem é o xampu sólido. Como ele é mais concentrado, vai render mais e muitas opções tem embalagens só de papel. Gera muito menos lixo que a versão líquida. Os xampus em barra também são geralmente naturais, o que significa que não contém todos aqueles ingredientes nocivos. Na dúvida, leia os ingredientes sempre.

Para lavar os cabelos com xampu sólido:
  1. Esfregue a barra na raiz dos cabelos molhados (se tiver muito cabelo ou ele for volumoso, vá dividindo e esfregando em cada parte). 
  2. Massageie e esfregue o couro cabeludo muito bem. 
  3. Se você tiver o cabelo muito comprido, talvez precisse passar o xampu também no comprimento dos fios e massagear bem.
  4. Enxágue o cabelo. 
  5. Se sentir que ele não ficou limpo, repita o processo.
Lavar o cabelo com produtos naturais significa: menos ou quase nenhuma espuma & sensação de cabelo "duro" logo após enxaguar. Isso acontece porque os sulfatos que criam a espuma em abundância que conhecemos e os silicones dão a sensação de maciez. Mas isso não quer dizer: limpeza adequada nem hidratação adequada, tá? É só a textura que estamos acostumados!

Esses xampus naturais se enquadram na categoria low-poo: esse é um termo utilizado para uma técnica que consiste em usar xampus sem sulfatos pesados. Como aqui a gente não quer sulfato de nenhum tipo, os xampus aqui indicados são liberados.

2. Sem xampu
Sim, dá pra lavar o cabelo sem usar xampu! A técnica que chama no-poo (poo vem de shampoo, em inglês) consiste em não usar nenhum tipo de xampu para lavar os cabelos. Mas Cristal, usa o que então? Temos algumas opções: condicionadores (sim, falo dele no próximo tópico) ou bicarbonato de sódio e vinagre de maçã. Pelo que li, essa técnica é preferida por quem tem cabelos cacheados :)

Para lavar os cabelos com bicarbonato de sódio e vinagre:
  1. Para cabelos médios, use 1 colher de sopa de bicarbonato. Para cabelos muito volumosos ou compridos, use 2 colheres de sopa. Ajuste se achar que foi muito ou pouco, depende muito da pessoa. A mesma coisa para o vinagre.
  2. Coloque o bicarbonato em um copo e o vinagre em outro. Leve para o banho e encha de água do chuveiro (pra você não morrer de frio se a água for gelada).
  3. Separe o cabelo em mechas e vá derramando a mistura de bicarbonato aos poucos, esfregando o couro cabeludo. Foque no couro cabeludo e não no comprimento dos fios.
  4. Enxágue bem.
  5. Faça a mesma coisa com o vinagre, mas dessa vez foque no comprimento dos fios. O bicarbonato deixa o Ph do couro cabeludo básico, então o vinagre é essencial para dar brilho e maciez.
  6. Enxágue bem.
Algumas pessoas dizem que o cabelo começa a ficar estranho depois de um tempo usando essa técnica, então eu sugiro ter um xampu em barra natural e intercalar de vez em quando. Eu uso essa lavagem como uma lavagem mais poderosa, a cada 15 dias ou mais, depende como meu cabelo está.

3. Com condicionador (ou co-wash)
Não, a gente não pulou para a parte da hidratação. Ainda estamos falando de limpeza. A técnica co-wash consiste em lavar os cabelos com condicionadores. Pra mim, que tem cabelo oleoso e que precisa lavar ele todos os santos dias, me parece uma opção kamikasi. Mas pelo que li, cabelos cacheados se dão super bem porque os fios são mais "secos" estruturalmente falando.

Os condicionadores usados não podem ter, de jeito nenhum, parafinas ou derivados de petróleo principalmente se você estiver usando xampus naturais. Como eles não tem sulfatos, não conseguem retirar essas substâncias dos fios. Se tiver um agente de limpeza na composição, como o derivado do coco "cocamidopropyl betaine", ele vai funcionar melhor. Precisa intercalar essa técnica com o uso de um xampu (de preferência natural) e a frequência é a saúde dos seus fios que vai dizer. Não dá pra usar todos os dias porque o excesso de condicionador pode dar dermatite seborréica, deixar o cabelo feio, etc. Deve funcionar maravilhosamente bem nos cabelos crespos e nos secos (porque eu só achei post sobre isso em blogs de cabelos cacheados), mas recebi feedback de quem tinha cabelo oleoso e melhorou também.

Para lavar os cabelos com condicionador:
  1. Com os cabelos molhados, passe o condicionador no couro cabeludo massageando bem.
  2. Enxágue.
  3. Agora passe o condicionador no comprimento dos fios. Se seu cabelo for crespo, vá fazendo por mechas até passar em todo o cabelo. Deixe mais tempo, cerca de 20min.
  4. Enxágue bem.
Onde encontrar xampus sólidos naturais:
- Fefa Pimenta
- Cativa Natureza
- Sementes de Gaia
- Cheiro Vivo
- Yamuna Artesanal

Post enorme detectado! As outras etapas (hidratação e tratamento) vou postar separado pra não cansar de ler, tá bem? Então tá bem.
1. Teve esse post incrível da Ariana, do blog Paris To Go, com dicas para ter um guarda roupas que dure mais. São dicas para a hora de comprar, como guardar e como limpar.


2. Esse "barbeador" a laser que foi criado por uma start-up e promete revolucionar o mundo da depilação! Eles já arrecadaram muitos milhões e estamos esperando que produzam em breve! #freepelos

3. Eu saí no blog Adoro Farm com essa entrevista que ficou linda!

4. Cês viram que eu estreei lá no blog dos queridos da Insecta Shoes dando super dicas básicas e maravilhosas pra começar a reduzir a sua produção de lixo RIGHT NOW? Vemvê!

5. Lá nos EUA tá rolando um movimento bem forte de parar de comprar água engarrafada. Ações como essa de instalar pontos para você encher sua garrafa de água, desse Zoológico em Detroit, estão cada vez mais comuns. Esses 20 pontos dentro desse único parque vão economizar cerca de 60 MIL GARRAFAS POR ANO. A importância disso é que a maior parte dessas garrafas não é reciclada! Não, nem nos EUA.

6. Da série "histórias incríveis" que nos lembram que tudo o que a gente precisa é: menos. Esse casal passou um ano sem comprar nada novo e os filhos nem perceberam!

7. Também teve essa entrevista pra Rádio Globo, se vocês quiserem me ouvir falando, cliquem aqui.

8. Vocês viram essa notícia? Descobriram um tipo de larva que consegue se alimentar de alguns tipos de plástico e isopor e transformam eles em "cocô normal" e não em derivados químicos do plástico. É uma descoberta incrível, já que os números de reciclagem do plástico são baixíssimos (nos EUA é cerca de 10% apenas!).

9. E esse vídeo dessa menininha mostrando a diferença de batatas orgânicas e não orgânicas? Meus filhos serão assim, com certeza!

Que semana agitada, minha gente! :)

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.

Não tem jeito: temos que escovar os dentes. E o jeito que aprendemos a fazer isso envolve lixo, plástico e muita química. Mas dá pra trocar por opções menos tóxicas, mais naturais e sem produzir lixos.

Um dos problemas dos cremes dentais comuns é a embalagem de plástico, raramente reciclada principalmente porque ninguém lava ela antes de descartar. Além da embalagem em si, a pasta de dente contém vários químicos comprovadamente nocivos como flúor, sulfatos, triclosan e pode até conter microesferas de plástico (!). Apesar desses químicos serem considerados essenciais e eficientes ao combate de bactérias nocivas que causam placa e outros problemas bucais, eles também estão ligados a vários problemas de saúde como alergias e principalmente câncer.

Você pode escovar os dentes com apenas duas coisas: óleo de coco e bicarbonato de sódio! O óleo de coco tem propriedades antifúngicas, anti-inflamatórias e foi comprovado que ele combate bactérias nocivas para a boca. O bicarbonato de sódio, por sua vez, tem duas funções: ele retira através da abrasão a placa dos dentes, reduzindo casos de gengivite e por ser alcalino, cria um ambiente com Ph inadequado para a proliferação das bactérias.

Sobre o bicarbonato de sódio ser muito abrasivo e retirar o esmalte dos dentes: leia este post que mostra que ele na verdade é o menos abrasivo, este estudo que também mostra isso e este estudo que mostra que pastas com bicarbonato são mais eficazes se comparadas às que não tem.

O gosto dessa mistura é um salgado forte, por conta do bicarbonato. O óleo de coco, por sua vez, não tem aquele gosto rançoso de outros óleos e azeites, é super agradável. Se você quiser, pode adicionar adoçante até a mistura ficar doce e mais próxima das pastas convencionais. O óleo essencial de hortelã também é opcional e garante a sensação refrescante que estamos tão acostumados. Além disso, esse óleo tem propriedades analgésicas, anestésicas, antissépticas, anti-inflamatórias e adstringentes.


Ingredientes
3 colheres de sopa de óleo de coco sólido
1 colher de sopa de bicarbonato de sódio
10-15 gotas de óleo essencial de hortelã (opcional)
2 colheres de chá de adoçante natural stevia (opcional)

Como fazer
Misture tudo em um pote (preferencialmente de vidro). Aplique com uma colherinha a quantidade parecida com a da pasta de dente normal na sua escova. Se o óleo de coco estiver líquido, deixe ele em geladeira até solidificar. Guarde no potinho no banheiro :)

Dicas:
- Lave a pia com água quente e sabão de coco frequentemente. O óleo costuma depositar ali.
- A escova também costuma ficar um pouco engordurada. Se você se incomodar, passa água fervente de vez em quando.
- Essa quantidade dura cerca de 1 mês para 1 pessoa adulta.
- Prefira os ingredientes orgânicos e, se possível, comprados a granel.

Essa receita foi adaptada da Lauren Singer, do Trash is for Tossers.
1. Teve essa matéria falando sobre o uso indevido dos agrotóxicos nos alimentos aqui no Brasil. Como as notícias não são boas e a fiscalização é péssima (o que significa que a maioria dos alimentos mais agrotóxico do que o permitido) prefira sempre orgânicos, produzidos perto de você. Alimentos sem venenos, mais frescos e com menos custo ambiental.


2. Esse lembrete sobre o algodão orgânico lá do blog Review.

3. Essa receita de um pesto de folhas de cenoura (!) do site Modefica para não desperdiçá-las e não jogá-las fora ;)

4. Teve essa notícia sobre Ruanda que proibiu as sacolas plásticas e as tornou ilegais desde 2008! E não para por aí: eles estão querendo proibir o plástico em outros itens também, querendo se tornar o primeiro país livre de plástico do mundo! Curiosíssima de como isso vai ser pensado e feito.

5. Tá rolando uma votação na página do Senado sobre um projeto que determina que as embalagens de bebidas açucaradas contenham advertência sobre os malefícios do consumo abusivo dessas bebidas. Vamos votar?

6. A notícia que o Reino Unido vai construir fábrica para reciclar as fraldas e absorventes descartáveis! O que é muito importante, já que esses itens, que misturam entre outras coisas, plásticos, vão pros lixos comuns. E o legal é que não vai ser incinerado, a ideia é reaproveitar os materiais.

7. Lembrei dessa campanha de uma rede de mercados franceses para incentivar o consumo dos vegetais "feios". Vocês conhecem?

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.  
Bom, este post começa com uma pequena mentira: eu não tenho rotina nenhuma de beleza. Sou super preguiçosa e só hidrato de vez em quando e faço máscara de argila mais de vez em quando ainda. Mas recentemente minha pele andou meio feia e decidi que preciso de uma rotina e mais cuidado com meu rosto. Pesquisei bastante e quis deixar super simples, de modo que eu consiga executar depois (isso significa que todo mundo vai conseguir fazer também).

Uma das premissas é ser natural ou usar ingredientes puros, orgânicos, coisas compradas sem embalagem e se der, feitos em casa. Me sinto muito mais tranquila em saber exatamente os ingredientes dos produtos que estou passando em mim. Acho que o segredo é limpar bem e hidratar com os óleos corretos.


MANHà

1. Limpeza
Para limpar, uso sabonete. Prefiro os de argila pra pele sensível, porque minha pele é seca e sensível. Atualmente uso um de Buriti, da Cativa. Prefira os artesanais, feitos na sua cidade (você pode conseguir sem embalagem), de preferência com insumos orgânicos e sem sulfatos nem parabenos.

Nas minhas pesquisas também descobri a esponja Konjac, que é feita 100% de um vegetal biodegradável (dá pra por na composteira!). Ela limpa e esfolia só com água e é perfeita pra peles sensíveis (como a minha). Fiquei super curiosa pra testar, porque acho que não preciso de tanta limpeza quanto os sabonetes dão. Minha pele resseca muito, então prefiro não agredir muito ela.

2. Tonificar
Confesso que essa etapa eu nunca fiz na vida (e mal sabia que existia). Tonificar é importante para hidratar a pele, limpar e ajuda a equilibrar o PH da pele. O que faz com que ele intensifique a ação do hidratante (que vem logo depois). O que eu conhecia por tônico eram esses adstringentes cheios de ácidos que irritavam e faziam arder minha pele. Mas os naturais são muito mais gentis. Existem águas termais, águas florais e outras receitas de tônicos.

As águas termais são extraídas de lugares que contenham minerais e carregam suas propriedades. As águas florais são extraídas durante a destilação de vegetais e tem as características dessas plantas. Elas servem pra refrescar e são indicadas pra usar antes de se maquiar, de passar o hidratante, para acalmar a pele, etc. Funcionam nessa etapa como tônico suave.

Vi várias receitas de tônicos e gostei de três: tônico para a pele com chá verde tônico para a pele oleosa & tônico para a pele de arroz. Aqui, vou fazer uma diferente: quero fazer com chá de camomila, chá verde e óleo de jojoba (considero fazer sem o óleo também porque acho que pode ser óleo demais pra minha pele).

3. Hidratar
Para hidratar, tenho usado o creme hidratante feito em casa que postei a receita aqui. É uma mistura de manteiga de karité, manteiga de cacau, óleo de coco e óleo de amêndoas. Como é super hidratante, não consigo usar todos os dias porque a pele fica com aspecto oleoso muito fácil. Tento passar só um pouquinho de nada nas áreas mais secas por isso. Muitas pessoas me disseram usar só o óleo de coco, puro. Outros recomendados para o rosto são o óleo de jojoba, o de abacate e o de amêndoas (principalmente peles sensíveis).

> óleo de coco: hidratante, anti-fúngico, emoliente e calmante, serve para todos os tipos de pele.
> óleo de jojoba: suave e leve, controla a oleosidade da pele, indicado para o tratamento de rosácea e acne.
> óleo de abacate: regenerador, anti-envelhecimento (rugas), cura (cicatrizes, etc.), calmante.
> óleo de amêndoas: suave, emoliente, restaurativo, calmante.



NOITE

1. Limpar
Para tirar a maquiagem, dá para usar o óleo de coco com discos de algodão (o tecido, reutilizável). Esfregue um pouco do óleo do rosto com as mãos e termine de tirar a maquiagem com o disco de algodão. Sai tudo muito fácil e deixa a pele hidratada. Vou usar um óleo de amêndoas que acabei não usando no corpo para que ele não estrague. Também dá pra usar um dos óleos citados acima.

2. Tonificar

Para tirar o resto do óleo e alguma impureza, usar o tônico com outro disco de algodão. Acho que é a hora da pele respirar, então as águas termais com propriedades calmantes devem fazer muito bem. Por isso quero adicionar chá de camomila no meu tônico :)

3. Hidratar
Para finalizar, se a pele precisar, hidratar de novo com algum dos óleos que já falamos. Se a pele estiver seca ou se for inverno, vale usar o creme hidratante poderoso que vira uma manteiga. Se a pele for oleosa (ou se for verão), o mais indicado é o óleo de jojoba.

TRATAMENTO INTENSIVO

1. Recuperar
Faço máscara com argila mais ou menos uma vez por semana. Sinto que a pele se renova, trata as inflamações e recupera a saúde. Para peles sensíveis como a minha, a ideal é a argila branca com água. É só misturar até formar uma pasta, passar no rosto, deixar por 15min e lavar com água fresca. 

Quando estou com espinhas ou a pele está precisando de um tratamento mais intensivo, misturo argila verde e vinagre de maçã. Funciona do mesmo jeito, mas ela é mais agressiva e dá uma sensação de esquentar a pele. Se incomodar, lave imediatamente! Às vezes minha pele fica bem vermelha assim que tiro essa máscara, parece ativar a circulação de um jeito incrível. A argila verde faz uma espécie de peeling suave e o vinagre ajuda a eliminar a oleosidade. É a única coisa que funciona comigo para secar espinhas.
Você também pode misturar argila com mel, fazer misturas com abacate, aloe vera (babosa) e até kiwi!

2. Regenerar
Gosto de esfoliar a pele intercalando uma semana com a máscara (se essa não for hidratante e calmante, aí poderia ser no mesmo dia). É bom pra evitar os cravos e eliminar as células mortas. Já dei duas receitas de esfoliantes aqui, um com açúcar e mel (que faço há anos) e outra de óleo de coco e bicarbonato de sódio. Dá pra usar várias coisas para esfoliar: aveia, sal, bicarbonato, borra de café, etc.

Eita que esse post ficou enormeee!!! Acho que agora ninguém tem desculpa pra não cuidar da pele (nem eu, quanta preguiça envolvida, modeus). Apesar de citar vários óleos diferentes, dá pra usar somente um. Dá pra fazer tudo em casa e ser feliz (com pele boa). Lembre sempre de usar todos os produtos que você tem em casa até acabar e só depois comprar novas coisas. Não desperdice! :)

Onde comprar:
- WNF (óleos vegetais e águas termais)
- Cativa Natureza (sabonetes)
- Bioart (águas florais e máscaras de argila)
- Lush (sabonetes, máscaras de tratamento e tônicos)
- Alva (óleo de jojoba)
- Lohas Store (argilas orgânicas e águas florais)
- Beleza Orgânica (óleos, máscaras)
- Alchymia Cosméticos (todos os produtos de todas as etapas e todos veganos)