1. Teve o Jack Johnson dando 10 dicas para parar de consumir plástico :)

2. Teve novidade legal daqui de Floripa (mas que entrega no Brasil todo): a Le Dog Cookies é uma empresa que faz com muito amor cookies para cachorros. A diferença? São cookies integrais e saudáveis, sem aditivos químicos, conservantes, aromatizantes etc.

3. Teve um contêiner aberto para pessoas irem treinar seus skills culinários usando ingredientes vindo da agricultura familiar, vendidos a preços acessíveis (diferente da onda gourmet dos food trucks), com opção vegetariana & o resíduo dos alimentos vai ser composto! Clica aqui pra ler.

4. Teve também essa matéria com a Erin do blog The Rogue Ginger falando e dando muitas dicas sobre estar há 2 anos vivendo livre de plásticos!

5. A dica do WWF de transformar seus restos de alimentos em composto orgânico pra adubar e fazer hortinhas.


6. Teve a Virada Sustentável lá em São Paulo e eu chorei um pouquinho por não ter podido ir :(

7. Uma das dicas pra produzir menos lixo na cozinha é: faça em casa. Por isso eu botei a mão na massa e fiz essa receita de tofu da Bela Gil.

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui
Depois da cozinha, outro lugar da casa onde geramos muito lixo é no banheiro. Seja por conta do papel higiênico seja por todas as outras coisas relacionadas a higiene que precisamos fazer. Fato é que estamos acostumados a usar produtos altamente tóxicos (pra nós mesmos e pro meio ambiente) sem nem questionar. É nos produtos de higiene que encontramos os tão malfalados sulfatos e parabenos também. Fora o perigo das microesferas de plástico em esfoliantes e pastas de dente.

1. Pare de usar papel higiênico. Eu bem que queria dizer que dá pra continuar usando e não tem problema, mas os jeitos de lidar com esse papel sujo depois são muito trabalhosos. O melhor jeito é parar de usar, instalando uma ducha no banheiro pra se lavar e depois usar uma toalhinha para se secar. Minha ideia é ter várias toalhinhas pequenas e colocar elas no lixeiro como se fosse jogar fora. Depois, coloco de molho num balde e, 1x por semana, lavo na máquina.

2. Faça sua própria pasta de dente com óleo de coco e bicarbonato de sódio. Ou outras tantas opções que existem por aí. Troque a escova de plástico, normal, por uma feita de bambu. Se você precisar de enxaguante bucal, faça esse com canela.

3. Use sabonetes artesanais feitos na sua cidade, de preferência. Assim você pode conseguir eles sem embalagem também.

4. Troque o xampu tradicional por uma opção feita em barra. Ele economiza vários potes de xampu e, se for feito localmente, você pode conseguir comprar sem embalagem.
O xampu Trichomania, da Lush


5. Ou você pode usar bicarbonato de sódio e vinagre para lavar os cabelos. Funciona assim: 1 colher de sopa de cada diluída em água, começando pelo bicarbonato e esfregando bem. Enxágue e passe o vinagre. Enxague também.

6. Existem opções sem embalagem e sólidas de condicionadores, mas você pode trocar por óleo de coco, de abacate ou de jojoba. É só passar um pouquinho depois do banho, como se fosse um finalizador.

7. Para conter o chulé, misture umas 10 gotas de óleo essencial de tea-tree (melaleuca) em um borrifador pequeno de água. Agite bem e aplique nos pés sempre antes de colocar o sapato.

8. Troque seu desodorante de sempre por opções mais naturais como o bicarbonato de sódio (sempre ele!) ou desodorantes a base dele.

9. Para limpar o banheiro, use vinagre para desinfetar. Para limpar pia, vaso e box, passe o vinagre por tudo e esfregue com uma esponja o bicarbonato de sódio. Ah, use uma bucha vegetal como esponja!

Para as mulheres:

10. Para hidratar a pele, faça um hidratante vegetal natural. Tem a receita aqui.

11. Troque os absorventes normais por um coletor menstrual de silicone ou absorventes de pano.



12. Faça em casa seu rímel, batom e blush ou escolha marcas sustentáveis e naturais.

13. Você pode fazer seu próprio perfume a partir dos óleos essenciais, misturando em um óleo vegetal como base (como o de amêndoas) ou álcool de cereais.

14. Escolha opção naturais como açúcar e bicarbonato de sódio para fazer esfoliação da pele.

15. Para se depilar, opte pelo barbeador Safety Razor, que troca só as lâminas de metal 100% recicláveis, diferente das opções descartáveis.

- Inspirado pelas dicas da Bea Johnson, do Zero Waste Home.
1. Teve uma pesquisa do IBGE apontando que 1/3 das crianças com menos de 2 anos bebem refrigerante :(

2. Uma cidade na Alemanha cheia de plantas, placas solares, trens e ideias inteligentes de arquitetura urbana :)


3. Evitar alimentos processados, embalados, também é evitar todo o açúcar desnecessário e absurdo que vem em todo tipo de alimento, seja doce ou não. Essa notícia de que índios no Mato Grosso estão tendo uma epidemia de diabetes é assustadora.

4. Abriu em Curitiba a Bem Local, uma loja de delivery de comidas gostosas com embalagens retornáveis! Você pede seu kit de sopas ou outras comidas e pode devolver os potinhos do último pedido!



Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
Um dos lugares que eu mais produzia lixo era na cozinha: embalagens de alimentos e, principalmente, restos de comida que tinha estragado. E isso não é só na minha casa, estudos apontam que cerca de um terço da comida produzida é jogada fora. São 1,3 bilhões de toneladas por ano! É muita comida, muito dinheiro jogado fora (lá na produção, no transporte, na manutenção, do consumidor final, etc). E é na cozinha que realmente produzimos quase metade do nosso lixo: o orgânico, que é composto de restos e cascas de alimentos. Por isso, é um lugar da casa pra ser atacado, afinal menos lixo = menos trabalho e = mais economia.

1. Compre menos comida. Pense num planejamento semanal e veja o que você (ou sua família) realmente come. Quantas vezes dá tempo de cozinhar? Quantas refeições (e quais delas) são feitas em casa e quantas pessoas comem? Só pensando nisso você vai conseguir comprar menos e melhor. Mas não é nada demais, não precisa de planilha. É mais de realmente observar algo que a gente geralmente vai deixando acontecer. Eu cozinhava 1x por semana e comprava comida como se cozinhasse quase todo dia. Por isso jogava tanta comida fora.

2. Evite coisas embaladas. Isso mesmo, você vai comprar menos em supermercados e mais em lojas a granel ou feiras. Para pães, bolos, frutas, verduras e outros vegetais, leve saquinhos de pano para usar no lugar dos de plástico na hora de separar os que você vai levar. Para grãos, cereais, castanhas, temperos, etc leve ou saquinhos de pano ou potes de vidro. Pras coisas em pó, prefira os vidros. Você pede pra tirarem a tara do pote e pesa só o conteúdo. Para carregar as compras de volta pra casa, use uma bolsa de pano reutilizável.
Potes de vidro que levei parar comprar a granel castanhas, goji e blueberry e canela


3. Tenha sempre em mãos um pote, um guardanapo e um copo para evitar descartáveis em lanches fora de casa. Você também pode usar potes pra comprar coisas como sorvete numa sorveteria, geléia. Ou aprenda a fazer pastas, geleias, leite vegetal, pães, queijos, molhos com os ingredientes in natura. Serão mais baratos e mais saudáveis (e provavelmente, mais gostosos!).

4. Troque a esponja normal, de plástico, por bucha vegetal ou escovas com cerdas vegetais. Use sabão de coco em barra para lavar a louça.

5. Guarde as folhas de saladas lavadas e secas, em trouxinhas de pano. Assim elas duram mais. Para cenouras, brócolis, couve e esse tipo de verdura, guarde num pote com água na geladeira (como se fossem flores) que elas duram mais tempo sem murchar nem estragar.

6. Para os restos de comida inevitáveis, tenha uma composteira doméstica.
Minha composteira cheia, antes de ir descansar até virar húmus :)


7. Tenha um filtro de cerâmica e pare de comprar água engarrafada em plástico (da garrafinha de 500ml às bombonas de 20l).

8. Guarde os potes de vidro de azeitona, palmito, molhos para armazenar comida. Guarde potes de vidro de leite de coco para guardar temperos (use uma rolha para fechar).

9. Congele os talos, folhas e pedaços não muito nobres para cozinhar e use-os para fazer caldo de legumes e usar em sopas, risotos e outras receitas.

10. Pare de usar descartáveis como papel alumínio, papel filme, toalha de papel, guardanapo de papel. Use guardanapos de pano, toalhas de pano, potes para guardar os restos de comida na geladeira e panelas 100% de metal que possam ir ao forno.

11. Use bicarbonato de sódio e vinagre para limpar o fogão. Polvilhe o bicarbonato, dê sprays de vinagre e deixe por 5min. Depois é só limpar com a bucha.

- Inspirado pelas dicas da Bea Johnson, do Zero Waste Home.
1. Um "couro vegetal" criado por estudantes que pegaram frutas que eram desperdiçadas sendo jogadas fora e transformaram nesse material inovador (e vegano!).

2.  Esse post lembrando que os produtos de limpeza são super esquecidos nessa onda de produtos naturais. Eles são responsáveis por vários problemas ambientais e ligados diretamente a alergias, problemas de saúde, etc. Bom ponto pra pensar :)

3. Uma receita com ingredientes fáceis (além da clássica camomila) pra clarear o cabelo de forma natural.


4. Esse vídeo muito triste e dolorido de uma tartaruga sofrendo horrores enquanto pessoas tiram um canudinho de plástico que ficou preso dentro da narina dela! :((((((

5. A entrevista com as criadoras do evento (a Je Muniz é minha tia!) O Mercado - Estilistas Independentes, lá no Rio, que aconteceu nos dias 15 e 16 de agosto. É um evento só com marcas locais, pra ficar de olho e fugir das fast-fashion.

6. A notícia boa pra Floripa, que começou a ter neste sábado, dia 15, uma feira de orgânicos no Terminal Cidade, no Centro.

7. Um texto muito bom da Fê Canna falando porque o futuro não é só reciclar, mas sim parar de produzir lixo, ou o "zero waste".

8. Uma lista com sete marcas (de roupas e acessórios) brasileiras preocupadas com sustentabilidade.

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
Esse final de semana aconteceu o Modefica Offline que tinha uma programação toda pensada em três pilares: veganismo, feminismo e sustentabilidade. Ouvindo os bate-papos me dei conta que o movimento lixo zero tem tudo a ver com outros dois movimentos, o veganismo e o minimalismo.

Foto da Bea Johnson, do Zero Waste Home
Quando comecei a busca por não produzir lixo ela era pura e simplesmente isso: não produzir lixo. Mas essa concepção de lixo mudou muito pra mim ao longo desses meses. Hoje em dia é muito mais fácil vocês me virem falando sobre redução de impacto do que redução de lixo. Diminuir nosso impacto é o que é o importante disso tudo e, pra isso, temos que olhar para toda a cadeia envolvida. Precisamos avaliar a produção, os ingredientes, o transporte, a embalagem, o uso e o descarte.

E foi assim que comecei a me preocupar com as roupas que eu usava e comprava por causa da cadeia na qual elas fazem parte, por exemplo. Isso reverberou além das embalagens que eu jogava fora, comecei a questionar todas as minhas ações: enquanto consumidora, tudo aquilo que eu queria ou achava que queria, o que eu tinha e porque não usava, o que eu escolhia comer, os produtos que eu escolhia apoiar. Foi por isso que me vi cada vez mais inclinada a participar do mundo vegano e minimalista.

E tudo isso tem a ver com consumir menos também:


Uma dieta vegetariana estrita produz menos impacto?
A priori, sim. Isso porque alguém com uma dieta que nada tenha origem animal não contribui com as "cotas de carbono" que a criação de animais para abate usa. Vocês sabem, a pecuária atua negativamente em três fatores:

1) água: são gastos cerca de 16 mil litros de água para produzir 1 kg de carne bovina. A pecuária gasta de cinco a dez vezes mais água para sua produção se comparada a uma dieta vegetariana.

2) degradação do solo: para a pecuária existir, os animais em confinamento são alimentados com rações que em sua maioria são feitas de soja e milho – geralmente criados em monoculturas sem tempo para que o solo se recupere naturalmente. Além disso, esse tipo de agricultura geralmente exige uma grande quantidade de agrotóxicos que são absorvidos pelo solo e também pelos animais, através das rações.

3) emissão de gases tóxicos: a criação de animais é responsável por cerca de metade da emissão de gases tóxicos que prejudicam a camada de ozônio e estão ligados ao aquecimento global.

Dito isso, consumir só produtos de origem vegetal gera menos impacto sim. Mas além disso, produtos de origem vegetal in natura e de produtores locais, não embalados. Comprando de feiras orgâncias, a gente não só melhora nossa dieta como incentiva os produtores locais a continuarem produzindo e não "sucumbirem" à monocultura.

Quem quer parar de produzir lixo acaba virando minimalista?
Mais ou menos sim. Claro que dá pra não produzir lixo e ter uma casa abarrotada de coisas, mas quanto menos, melhor. Não dá pra pensar em lixo zero e consumismo por mil motivos, então quem busca ser mais sustentável busca a redução do seu consumo. Seja em objetos, comidas, serviços, roupas, acessórios, eletrônicos, etc. Quanto menos, melhor. Minimalismo é ter aquilo que a gente precisa e só quando precisa. Reduzir é um dos Rs essenciais pro lixo zero, lembra?

Vários blogs sobre lixo zero batem na tecla de ter menos. Esse aqui, inclusive, começa a lista de ações para parar de produzir lixo com "de-clutter" (termo em inglês que traduzindo é algo como destralhar e está super na moda), ou seja, se desfazer de tudo aquilo que você não usa ou não quer mais. A grande mentora desse termo e dessa mudança é a Marie Kondo, com seu livro A Mágica da Arrumação. É um livro repleto de dicas práticas para reorganizar suas coisas e valorizar só aquelas que você realmente quer ter.

Dá uma olhada nesse vídeo da Lavendaire:


Também tem o armário-cápsula, uma técnica desenvolvida pela Caroline onde você só pode ter 37 peças no seu guarda-roupas. As técnicas são sempre olhar para o que você tem e, se você ama e usa sempre, ficar. Se não, deixe ir (você pode usar o Enjoei ou algum site pra vender as coisas que você não usa mais).

Conclusão: aderir ao lixo zero passando pelo veganismo e pelo minimalismo antes ou junto, vão te ajudar imensamente :)

Continue lendo:
- O que é ser minimalista
- Uma Vida Mais Simples
- Por que ser vegano, parte 1 – pelo planeta
1. Teve spoiler dos guardanapos feitos em parceria com a Costuritcha e o Banco de Tecido e o Um Ano Sem Lixo pra ser brinde e fazer parte do kit do Modefica Offline.


2. Eu fui viajar pra São Paulo e postei lá no meu Instagram tudo o que fui fazendo pra reduzir meu lixo. Na foto, os meus amados guardanapos:

3. Depois de ter data pros descartáveis pararem de existir e de ter lei pra multar os mercados que desperdiçarem comida, agora a França aprovou uma lei que multa as empresas em até 300 mil euros por fazerem produtos com a chamada "obsolescência programada".

4. Uma receita de leite de semente de melão! D:

5. O pessoal do Hypeness topou o desafio de testar não produzir lixo e fez um post sobre isso.

6. A novidade boa que é: teremos newsletter! Clica aqui e se cadastra pra receber convites, novidades e coisas bonitas e inspiradoras por e-mail.

7. Uma descoberta: um app que chama Mée e é uma espécie de Tinder só que para fazer trocas de coisas!

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.
1. Tô muito encantada com essa página, Yo Vivo Natural. Olha essa receita super fácil de rímel natural!!!!! Só tem três ingredientes: cera de abelha, óleo de coco e carvão vegetal!

2. Um texto bem legal falando sobre a Bela Gil e as "polêmicas" envoltas nela.



3. Lembrete-convite porque vai ter sorteio dum vale besouro da Insecta Shoes no meu bate-papo lá no Modefica Offline.

4. Uma matéria muito legal sobre esse movimento de fazer os próprios cosméticos e produtos de beleza em casa.

5. Um link útil pra quem é de Floripa: no site da Comcap tem uma lista de pontos de entrega voluntária de lixo. Clica aqui pra saber onde são e o que pode levar lá.

6. Duas coisas surpreendentes: quase metade do lixo gerado em 2014 no Brasil (41%) foram destinados em locais considerados INADEQUADOS :( Além disso, a taxa de crescimento da produção de lixo cresceu nos últimos 11 anos, 29%, enquanto a população, só 6%.
Precisamos, urgentemente: reduzir o consumo de coisas que gerem tanto lixo e destinar corretamente o lixo que produzimos – seja na coleta seletiva, seja no lixo eletrônico, seja na composteira.

7. Teve um post saudoso deu lembrando da minha professora de Geografia do colégio.

Semana agitada, hein? :)

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.