Todo mundo precisa limpar a casa. E a gente tem sido convencido de que precisa de um produto químico para cada pedaço dela: um pro fogão, um pro chão, um pros rejuntes da parede, um pra móveis, um pro vaso, etc. Um dos problemas desses inúmeros produtos é a química com a qual eles são feitos. A maioria usa detergentes sintéticos, derivados do petróleo, que acabam não sendo biodegradáveis e gerando problemas quando eles vão pelo ralo até rios e mares (lembra daquelas imagens assustadoras do Rio Tietê cheio de espuma?). Além disso, a gente acaba comprando muitas embalagens "precisando" de muitos produtos diferentes. Mais embalagens = mais lixo.

Pra resolver isso, vamos simplificar: você só precisa de três coisas pra limpar a casa > sabão de coco em barra, bicarbonato de sódio e vinagre. Sério. Menos embalagens (inclusive o bicarbonato pode ser comprado a granel em muitos lugares) e menos química nociva pro meio ambiente e pra você, que tem alergias e não sabe de onde elas vem. Além de gastar muito menos dinheiro com produtos de limpeza, claro (no final do post tem os meus cálculos!).



Limpando a cozinha
1. Para lavar a louça, use uma bucha vegetal ou uma escova com cerdas vegetais (que é mais difícil de encontrar aqui no Brasil) ao invés das esponjas convencionais (elas são de plástico e não são recicláveis).

2. No lugar dos detergentes, escolha um sabão de coco em barra confiável. Olhe nos ingredientes: deve ter óleo de coco e não deve ter vários nomes que você não sabe o que significam.

3. Para limpar o fogão, polvilhe bicarbonato de sódio e depois dê sprays de vinagre. Eles vão reagir e ajudar a tirar as sujeiras grudadas. Espere uns 5min e limpe com um pano úmido.

Lavando a roupa
4. Você pode fazer seu próprio sabão em pó para roupas. Basta ralar e depois bater no liquidificador (ou processador de alimentos) até virar um pó, 1 barra de sabão de coco. Depois, misture com a mesma medida (se a barra tiver 100g, serão 100g) de bicarbonato de sódio. Use mais ou menos a mesma quantidade do sabão normal na máquina de lavar. Tem algumas outras receitas com outras coisas que deixam a mistura mais potente, mas ainda não testei.

5. No lugar do amaciante, use a mesma medida de vinagre de álcool. Se quiser deixar sua roupa com cheirinho, você pode colocar gotas de óleo essencial junto com o vinagre. O óleo de lavanda é ótimo.

Limpando superfícies
6. Para desinfetar coisas em geral, use vinagre de álcool. Se você não gosta do cheiro do vinagre, pode fazer essa receita com cascas de limão. Dá pra deixar outras coisas como alecrim e lavanda submersos no vinagre pra dar cheirinho.

7. Para limpar o chão, use vinagre diluído em água. Também dá pra colocar umas 5 gotas de óleo essencial para dar cheirinho. Usei o de capim limão e recomendo o de alecrim e lavanda também.

Limpando o banheiro
8. Pra limpar o vaso, jogue bicarbonato dentro do vaso de modo que ele fique "grudado" nas paredes. Depois jogue vinagre pra eles reagirem. Limpe dentro com a escova.

9. Para limpar dentro do box, onde geralmente ficam muitas coisas grudadas, dê vários sprays de vinagre por todas as paredes. Depois, coloque bicarbonato de sódio numa esponja ou escova e esfregue bem. Eles vão reagir, vai soltar mais fácil a sujeira.

Antes, eu gastava cerca de R$40 por mês com sabão em pó, amaciante, limpa vidros, limpa fogão, água sanitária, limpador potente com cloro, detergente, desinfetante, vanish etc.

Por mês, eu gasto agora cerca de 2L de vinagre de álcool, uns 300g de bicarbonato de sódio e duas barras de sabão de coco. Isso dá, em reais: R$3 do vinagre + R$3 do bicarbonato (depende da loja e da região) + R$6 do sabão de coco. No total: R$12 em produtos de limpeza por mês. Minha casa continua limpa, cheirosa, não agrido o meio ambiente, produzo menos embalagens, gasto menos dinheiro e irrito menos minha pele e meu nariz sem tanta química em casa.


1. Enquanto eu pensava num post sobre rotina de beleza pro rosto natural (e sem lixo), achei essa receita de tônico com chá verde que um dia eu vou descobrir pra que serve um tônico (quando eu vencer a preguiça dessas rotinas de beleza).

2. Quando não dá pra achar roupas de 2ª mão, o jeito é tentar achar marcas que tenham tecnologias de tecidos sustentáveis, façam uso do upcycling (conceito de reutilizar algo transformando o uso e não a matéria em si) ou que usam algodão orgânico. Nessa matéria explica a diferença do algodão normal e quais são as vantagens de se produzir desse jeito.

3. Engraçado que eu conheci a Revolução dos Baldinhos num TEDxFloripa, lá em 2011 e hoje isso faça parte da minha vida. Esse projeto surgiu numa comunidade aqui em Floripa e gera adubo a partir do lixo orgânico dos moradores da região. Parte do adubo é vendida e outra parte, devolvida pros moradores que podem ter hortinhas em casa. Além disso, eles conseguiram melhorar (e muito) a situação problemática dos animais vetores de doenças (ratos, baratas, etc).

4. Eu saí numa matéria no MdeMulher!!! <3

5. Você sabe o que tem nos seus esmaltes? Sim, eles são altamente tóxicos. Não à toa tem muita gente que tem alergia, não se recomenda usar durante a gravidez, etc. Sem contar que quase nenhum potinho (de vidro) é reciclado nem reciclável por conta do conteúdo é dificílimo de limpar (é, eu não pinto a unha desde o começo do ano!). Essa matéria do Modefica tem um guia completo pra entender essa toxicidade e como encontrar marcas livres de algumas substâncias.

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.  
1. Essa dica é ouro: guardar os vegetais com caules grossos como brócolis, couve, cenoura, alho poró etc em água, dentro da geladeira, faz eles permanecerem fresquinhos por mais tempo ;)

2. Praticar uma vida mais saudável tem tudo a ver com produzir menos lixo. Afinal de contas, é nos industrializados (comidas, cosméticos, água, etc) que encontramos uma quantidade assustadora de químicos (nocivos, sim). Esse texto nos lembra a quantidade de toxicidade que entramos em contato o tempo todo, em todos os lugares e porque é legal evitarmos sempre o que pudermos (agrotóxicos, sulfatos, parabenos, petrolatos, etcetcetc).

3. O clima chuvoso e úmido dessa semana me lembrou essa receita de leite vegetal + bolinho de amêndoas e pão também. Receita sem desperdício e multifunção.

4. Esse post maravilhoso da Marina do Modefica que condiz exatamente com o que eu acho: ser mais sustentável não significa jogar todas as coisas que você tem (e estão em perfeito estado) fora e substituí-las por marcas mais "eco". Use bem o que você tem aqui e agora. Lixo zero não é reciclar a maior quantidade possível dele, mas sim produzir a menor quantidade de todos os desperdícios.

5. Esse lembrete: não tenha nada na sua casa que não seja útil ou que seja bonito.

6. Essas calcinhas-absorventes são a melhor solução sem lixo depois do coletor menstrual e dos absorventes de pano. Elas tem uma tecnologia que absorve a menstruação, deixa a sensação de "tô seca", além de ser linda. E entrega no Brasil! Também é uma ótima opção pros primeiros e últimos dias, quando tem só um pouquinho de menstruação.

7. Conheci o site Cachorro Verde sem querer e me apaixonei: ele tem várias receitas de alimentação natural para cachorros e gatos (praticamente lixo zero) e essa dica de caixa de areia que não produz lixo!

8. Também teve esse vídeo de dar inveja em nós, brasileiros. É uma máquina alemã que recolhe garrafas PET e te devolve o valor pago nas embalagens. 

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.  
Essa semana o links imperdíveis virou dicas imperdíveis! Semana passada aconteceu a Zero Waste Week lá na Inglaterra. Como eu não podia participar presencialmente, quis dar uma força pro assunto nas redes sociais com uma série de dicas. Lá vai:

1. A primeira dica é usar bucha vegetal como esponja: NA COZINHA! As esponjas normais são feitas de plástico e não são recicláveis! A bucha é um vegetal e, quando começa estragar, você pode enterrar na composteira e ela se decompõe lá! Muito melhor pro meio ambiente. Na foto, como eu faço: corto ela no meio e depois no tamanho parecido com o da esponja normal. No começo é um pouco estranho usar ela, mas depois a gente acaba acostumando.

2. Essa dica é uma das mais simples e revolucionárias: usar bicarbonato de sódio como desodorante! Basta pegar um pouco do pó e aplicar nas axilas que ele gruda. O bicarbonato funciona criando um ambiente que as bactérias que causam o mau cheiro não se proliferam. É super super eficiente, fiquei surpresa quando testei a primeira vez. Além disso, é uma alternativa barata e livre de alumínio como os desodorantes comuns. E pode ser comprado a granel, ou seja, sem gerar lixo!

 3. A outra dica é trocar suas escovas de plástico normais por estas, de bambu! As de plástico são comumente não recicladas porque vão pro lixo comum e muitas acabam indo pros oceanos. Além disso, são feitas de um derivado de petróleo e existem estudos sobre o bisfenol presente nos plásticos como tóxico para nós. As escovas de bambu são compostáveis! Com exceção das cerdas, feitas de nylon, que são recicláveis. Nylon não contém bisfenol e se decompõe em 10x menos tempo que o plástico. O ideal seriam cerdas vegetais, mas ainda não descobri ou existe nenhuma marca que faça isso.

 4. Para escovar os dentes eu uso uma pasta feita em casa com óleo de coco e bicarbonato de sódio! Faço a proporção de 3:1 de óleo para bicarbonato. Dura cerca de 1 a 2 meses. Não é nojento e não faz espuma, claro. O óleo de coco tem propriedades anti-inflamatórias que ajudam a proteger as gengivas, e estudos provaram que ele ajuda a inibir o crescimento das bactérias que causam cáries e mau hálito. Posso dizer que minha gengivite melhorou 100% depois que comecei a usar essa mistura!

5. A última dica é usar potes de vidro para fazer compras a granel! Você leva seus potes em lojas que vendam coisas a granel. Pede pra tirar o peso dos potes e aí só o conteúdo vai ser pesado. Assim você leva os alimentos direto pra estante, sem produzir lixo nenhum. Só precisa se planejar um pouco pra ir na loja. 

Depois da cozinha e do banheiro, é hora de reduzir o lixo e o impacto produzido no quarto e no escritório. Deixei esses dois lugares juntos porque muitas vezes as coisas que vou falar acontecem no mesmo cômodo. Aqui são menos problemas a lidar se comparado ao banheiro e à cozinha, é mais uma questão de como manejar as coisas. Voilá:



No quarto:

1. Usar o que você tem muito bem. Geralmente temos muito mais coisas que realmente precisamos, mas sempre compramos novas. Aproveite e faça uma limpa e doe ou venda tudo o que está esquecido no armário e não te traz felicidade. Tenha menos e use mais. Pra ajudar nesse processo, leia o livro "A Mágica da Arrumação" da Marie Kondo.

2. Conserte o que tiver estragado antes de descartar. Costure o furo, o botão, cole a sola do sapato. Sai muito mais barato e vale muito mais a pena.

3. Tente fazer algumas coisas você mesmo. Além de ser divertido e gostoso, é único.

4. Quando precisar de coisas novas, tente comprar roupas, sapatos e acessórios de 2ª mão sempre que possível.

5. Se não for, procure marcas sustentáveis, que usem tecidos ecológicos, de algodão orgânico, de reuso, que sejam produzidos localmente, com mão de obra justa, com matéria-prima produzida aqui. Faça a economia girar entre as pessoas que moram perto de você.

6. Você pode fazer com costureiras também. Geralmente sai mais barato e você faz exatamente do jeito que quer a peça.

7. Quando você não quiser mais alguma coisa, doe antes de jogar fora. Você pode fazer como eu e ter uma lojinha para vender alguns artigos que não usa mais.

No escritório:

1. Cancele o recebimento de faturas impressas. Coloque no débito automático ou pague pela internet, sempre que possível.

2. Reciclar todos os papeis possíveis. Não amasse, rasgue e descarte para a coleta seletiva só os papeis num saco ou caixa, sem misturar com outros tipos de materiais. Tire grampos, clipes de papel e fitas adesivas na hora de separar os papéis para descarte.

3. Siga as dicas da Marie Kondo e tenha só papeis importantes e imprencindíveis em casa. Notas fiscais de produtos, contas e comprovantes de pagamento de contas da casa, documentos importantes, etc. Todo o resto: fora. E, se possível, evite que eles cheguem em casa.

4. Tenha uma caneta só que possa ser recarregável e recuse todas as de brinde que nos dão. Use uma lapiseira ao invés de mil lápis também. Se for possível, use marcadores de texto recarregáveis também. (eu ainda não procurei isso direito no Brasil pra dizer se é fácil de achar)

5. Prefira pen-drives e compartilhar arquivos de sites como Dropbox ou Wetransfer do que mídias físicas como CDs e DVDs.

6. Use fita adesiva de papel ao invés da comum, feita de plástico.

7. Imprima só quando necessário e reutilize os versos das impressões para rascunhos.

8. Descarte os lixos eletrônicos (computadores antigos, fios, celulares, etc) adequadamente. Se você não souber onde, consulte o site e-Cycle pra isso.

9. Uma boa é ter um Kindle ou um tablet para ler livros e não precisar comprar os de papel (apesar deu amar muito os de papel, pros clássicos e em domínio público acho essa uma opção maravilhosa).

- Inspirado pelas dicas da Bea Johnson, do Zero Waste Home.
1. Atualizei o post que fala sobre o que vou fazer com o papel higiênico, dá uma olhada no que eu resolvi :)

2. Bebê sem lixo? Sim senhoras e senhores! Essa dica da Bela Gil é muito legal: limpar o bumbum com óleo de gergelim ou de coco. Os lenços umedecidos são feitos de um material não reciclável e não compostável, com perfume e parabenos. Pra ficar 100% livre de lixo, use discos de tecido ao invés dos de algodão, lavando e reutilizando-os. ;) Ah! Isso tudo também funciona maravilhosamente pra tirar a maquiagem sem machucar a pele!


3. Esse post muito bom do site Modices sobre o novo comportamento das pessoas com relação à consciência sobre os produtos de moda e o que as marcas de moda precisam entender sobre a crise.

4. Essa matéria que mostra como a água engarrafada está virando um concorrente ao refrigerante! Evite elas, use um filtro de cerâmica e garrafas reutilizáveis :)

5. Também teve uma matéria falando de 6 tecnologias sustentáveis para tecidos.

6. Também teve a Jojo, do Um Ano Sem Zara, falando sobre moda consciente.

7. Esse salão de beleza em Santiago, no Chile, só usa produtos feitos de ingredientes naturais e orgânicos, livres de parabenos, amônia ou formaldeído. Também tem um em São Paulo, A Naturalista! ;)

Para ver mais links imperdíveis, clique aqui.  
Eu já falo desses passos em palestras que dou sobre o que comecei para fazer o Um Ano Sem Lixo, mas resolvi agrupar elas de um jeitinho fácil e didático pra quem aportou aqui e tá perdido com tanta informação. Ah, e essas dicas são todas inspiradas pelas da Bea Johnson.

Guardanapos de pano que fiz para evitar todos os de papel por aí :)



1. Recusar o que você não precisa (amostras grátis, brindes, papel de 2ª via de cartão, guardanapos, faturas impressas, compras que você não pre-ci-sa realmente)

2. Reduzir o que você precisa (olhar cada coisa na sua casa, cada coisinha mesmo e avaliar se você ainda usa ou se não pode doar. A partir daí, só comprar o que for necessário e sempre procurar opções de 2ª mão. Já listei detalhadamente o que fazer na cozinha e no banheiro, clica aqui.)

3. Reutilizar ao invés de descartar (trocar descartáveis por reutilizáveis, como guardanapo de pano, sacolas de pano, talheres, copo de vidro/metal. Nas compras, usar potes de vidro ou saquinhos de pano para compras a granel e vegetais)

4. Reciclar (se, mesmo depois de recusar, reduzir e reutilizar for preciso reciclar, conheça como funciona na sua cidade e no seu prédio a política de coleta seletiva. Descubra que dias o caminhão do lixo passa e leve sua sacola nesse dia. Se não tiver coleta na sua cidade, veja com a prefeitura se existe alguma outra opção e, se não tiver, tente descobrir se existe alguma cooperativa que recolha lixo reciclável. Se for preciso, leve até algum ponto de coleta. Se você morar em um prédio, fale com o síndico e/ou o zelador para conferir que o lixo está sendo colocado para a coleta no dia correto.)

5. Compostar (para todo o lixo orgânico, composto de restos e cascas de frutas, tenha uma composteira doméstica. Em casas dá pra usar um buraco no terreno mesmo, mas em apartamentos um minhocário é ideal. Se na sua cidade tiver um ponto de recebimento de composto, leve até lá!)