Quanto menos a gente olha pra gente mesma, quanto menos "se investiga", se aceita e se curte... mais energia sobra pra olhar pra fora. Não ter vontades claras, não exercitar questionamento (no guarda-roupa e na vida!) rende um vazio que deixa a gente à mercê do mercado/da indústria: a gente passa a não desenvolver pensamento crítico e opinião como cidadãs – mas sim passamos a nos expressar como consumidoras, através do que compramos. Se a gente não faz as próprias escolhas, então o mercado "escolhe" pra gente.

Nosso trabalho como consultoras de estilo pessoal exercita bem isso: a gente ajuda clientes a enxergar com clareza os seus SIMs, pra que elas tenham força emocional pra dizer NÃO pro que não serve pra elas. :)

Percebam que tudo em volta quer que a gente diga esses SIMs, que compre tudo, que não raciocine sobre nada, que não faça escolhas -- pra optar sempre por um excesso que não funciona, e que por isso mesmo faça a gente querer comprar ainda mais.

Já disse Marcelo Camelo: a gente devia "só precisar do que já tiver". Isso é tranquilidade, é o oposto de ansiedade!


Agora pára um segundo e pensa com a gente: e se a gente tivesse cuidando de estudar a nossa própria aparência em frente ao espelho (e não tanto as aparências das moças que frequentam semanas de moda, que aparecem no Pinterest, que tão nas páginas das revistas)? E se no lugar de estudar e perguntar "de onde é" e querer saber milimetricamente o que as outras pessoas tão vestindo... a gente fizesse essas perguntas sobre nós mesmas?

Olhar pra dentro de si mesma com carinho <3 procurando clareza de preferências e vontades nem é tão dificil – mas a gente tá bem desacostumada, já que nada em volta ajuda ou incentiva essa prática.

Perguntas boas pra se começar (assim que a gente desliga o celular ou sai da frente do computador) podem ser:

-o que eu quero sentir?
-como eu quero parecer?
-o que é importante pra mim?
-que tipo de roupas, cores, acessórios, materiais e estampas eu entendo que me fazem sentir essas sensações ou parecer como eu desejo?


Um aprendizado útil de verdade pode ser esse: entender como as roupas podem materializar sensações. Se a gente consegue organizar essas respostas daqui de cima com honestidade e carinho, fica tranks escolher o que vestir – e as escolhas vão ficando mais e mais certeiras na medida em que a gente se interessa também por conhecer qualidade, caimentos, acabamentos, etc.

Quando a gente tem clareza de quem é e consegue "mapear" a vida que vive, fica fácil dizer não pro que é excesso. É nisso que a gente fundamenta o nosso SUBSTITUA CONSUMO POR AUTOESTIMA: na energia que coloca em si mesma pra não precisar comprar pra se sentir bem.


E a nossa experiência prática com clientes de consultoria e com alunas dos nossos cursos ensinam mais e mais pra gente – e dão certeza de que esse é um raciocínio eficaz, que funciona de verdade, na vida real.

Pra ler mais sobre:
Quando eu pensei em fazer um blog pra contar como seria parar de produzir lixo, eu sabia que ia dar algum barulho. Fosse só entre os amigos ou um pouquinho mais, mas nunca imaginei que seria como está sendo. Fui entrevistada pela Trip, pelo Estadão e saí no site da Carta Capital. Eu fico muito muito feliz, mas muito mais pela possibilidade de espalhar essa ideia por aí.

E é com muita muita muita muuuita alegria que eu publico o TEDx Talk que eu fiz, graças ao convite ilustríssimo do TEDxBlumenau. Sem mais, ó: