Eu ando bem quietinha por aqui tem tempo. Desde que virou o ano, me pergunto como continuar o projeto, como continuar a não produzir lixo, como produzir ainda menos lixo, o que ir além do que já fiz. Era pra ser só uns diazinhos ou umas semanas de férias, mas acabaram sendo meses. E os últimos meses, como bem me avisaram Susan Miller e Mainá Mello (rs), foram de uma revolução interna e muito trabalho.

É obvio que eu comecei a me questionar também. É difícil ser blogueira, viu. Ter essa responsabilidade sobre você, as pessoas julgando com o olhar, as vezes que a vontade é largar tudo e comprar um chocolate mas lembrar que tem embalagem e se sentir mal. Eu dei palestra, falei num TEDx, respondi muuuuitas entrevistas e muitosssss emails e comentários de vocês. Tem sido ótimo, aliás. Nunca vou me esquecer da sensação em estar em uma palestra e metade das pessoas dizer que foi porque me conhecia. É lindo demais. Também é lindo ser inspiração pra uma coisa tão bonita, uma causa tão boa pra todos nós que é ser mais sustentável. Mas não é fácil, né.

Quando eu comecei as mudanças pra passar a viver sem lixo, em 2015, eu achava tudo fácil. Mas eu tava empolgada, feliz e tão afim de realmente fazer as coisas que obviamente eu tava achando fácil. Mas viver sozinha, ser 100% responsável por tudo na sua vida, trabalhar e cuidar de um gato e um cachorro dá um trabalhão. E aí eu descambei e passei a achar muita coisa difícil.

Tenho produzido bastante lixo. Reciclável, basicamente, porque não tenho conseguido me organizar pra comprar comidas a granel e porque os preços subiram muito nessas lojas. Acabei ficando na facilidade de comprar um saquinho de arroz, apesar de todo o remorso. Desde que a Filó (a cã) chegou na casa, então, meudeusdocéu quanto lixo. Foram muitos jornais até eu conseguir o sanitário canino que usa areia biodegradável. Ela destruiu muita coisa - e a maioria de tecido, nada reciclável e que eu não tinha mesmo como reaproveitar (vocês já viram como os bichos deixam as coisas destruídas?). Até hoje rolam pequenas destruições, brinquedos que vão estragando, coisas que ela derruba e quebra. Sim, Filó é uma cã saltitante e fofa, mas que cria um pequeno caos ao seu redor.

Em suma: me desorganizei completamente. Sigo com a composteira, a bucha vegetal pra lavar louça, fazendo meu sabão em pó e outras mil coisas que reduziram meus lixos, mas a sensação de estar falhando é tão grande, gente. É que sou perfeccionista também, viu.

Todo esse desabafo pra dizer que: agora vai.

Tô planejando novos posts finalmente, novas parcerias que vão ser incríveis, novas ideias e em breve e aos poucos elas vão chegando por aqui, no facebook, no grupo do facebook, na newsletter, no instagram, no snapchat (@cristalmuniz) e no twitter. Ufa!

Mas vamos conversar? Gosto tanto dos comentários aqui no blog e queria muito saber: o que é mais difícil pra vocês? Vamos nos ajudar falando do que é difícil também, porque é importante a gente lembrar que a realidade não são só fotos bonitas e flores.