Assisti o documentário Minimalismo: Um documentário Sobre As Coisas Importantes (tradução livre do título) e não gostei. Eu já conhecia o movimento The Minimalists do Joshua e do Ryan porque seguia eles no twitter, tentei ouvir um que outro podcast e achei que seria legal ver o documentário – até porque a gente falou sobre isso lá no grupo do UASL no Facebook semana passada. Acho que tem algumas ideias legais ali, mas acho que no geral tem muitos problemas e uma visão muito rasa que não resolve nada.

O mote principal do documentário é a história do Ryan e do Joshua que, basicamente tinham chegado no topo da carreira ganhando mais de 50 mil dólares por ano, tinham tudo o que sempre quiseram conquistar e de repente perceberam que as coisas que compraram não faziam eles felizes e resolveram se desfazer de quase tudo, inclusive do trabalho. Enquanto eles contam a sua história pessoal e como eles chegaram ali, no lançamento do livro deles em várias cidades (que é o que o documentário conta, na verdade), vamos sendo apresentados a outros personagens que também seguem o movimento minimalista e tem seus próprios projetos pessoais.

Esse texto tem spoilers porque problematizo o documentário, então talvez seja melhor ver o filme antes! ;)


Onde estão as mulheres?


A primeira coisa que me incomodou foi que passaram muitos personagens e quase nenhuma mulher. E não é porque não tem mulher praticando minimalismo ou outros projetos que falem sobre sustentabilidade. Aliás, muitíssimo pelo contrário. A maior parte dos blogs e das pessoas do movimento lixo zero que eu conheço são mulheres! Olha a Lauren Singer. A Bea Johnson. A Anne-Marie do Zero Waste Chef. A Marie Kondo que tem um livro best seller no mundo inteiro, o A Mágica da Arrumação que conversa demais com o que eles falam. Enfim, mulher não falta no mundo, mas faltou na hora de selecionar pro documentário.

As únicas mulheres que aparecem ali pra contar dos seus projetos são a Courtney Carver do Project 333, a Tammy Strobel do A Tiny Tour e a Cristine Koh do Minimalist Parenting. Ainda tem duas mulheres que aparecem, mas com seus maridos – que falam muito mais.

Courtney do Project 333 que originou o conceito de Armário Cápsula

Pra mim, o problema nessa diferença de personagens é que é muito mais fácil pros homens o discurso do filme de "cheguei lá e larguei tudo". Primeiro porque é muito mais fácil pra um homem chegar no topo da carreira e ganhar uma bela grana. Enquanto eles podem se dedicar à carreia e são criados pra isso, as mulheres muitas vezes ficam responsáveis por todo o resto enquanto o homem vai chegando lá: casa, filhos, a carga mental que bombou tanto nesse quadrinho (leia!) é 100% real. Segundo porque é muito mais fácil pros homens largarem tudo. Eles já largam os filhos com as mães com muito mais facilidade e permissão do julgamento da sociedade que as mulheres. Cadê a mãe dos seis filhos do Leo Babauta? Por que só ele aparece no filme?

Ainda tem outra coisa que me incomodou demais: a diferença do julgamento sobre as coisas dos homens x coisas das mulheres. Enquanto as duas personagens Courtney e Tammy falam e tem enfoque nas roupas e sapatos que tinham (historicamente tratado como futilidade, vocês sabem), o discurso dos homens não é tratado como fútil, até certo ponto, mas tem um quê de mais heróico.

Em um trecho de uma palestra, Ryan fala que um cara perguntou pra ele "eu amo meus livros, eu tenho uma biblioteca gigante, tenho que me desfazer deles?" e a resposta dele foi não, claro. Diferente de quando ele fala sobre os 20 pares de sapatos da namorada que a classificam como não-minimalista. Pode ter uma biblioteca por quê? Por que não pode ter 20 pares de sapato se ela amar e usar todos esses pares? Não acho que dá pra dizer que isso é sem intenção porque se a gente lembrar, foram editadas as falas pra entrar apenas o que eles queriam que tivesse no filme.

Pra quem é possível largar tudo?


Em qual degrau de privilégio estão esses homens, majoritariamente brancos, estão pra dizer que querem sair do emprego que paga 50k dólares por ano pra viver uma vida com mais significado? Que tipo de vida eles tão vendendo com esse discurso? Pra mim, uma vida bastante surreal inclusive pra mim. Essa possibilidade lhes é assegurada por esse privilégio, vale dizer. Essa cifra que eles mencionam no documentário provavelmente garantiu a possibilidade de poder sair viajando e fazendo o lançamento do livro mesmo quando não tinham pessoas suficientes.

O que é verdadeiramente discutido e resolvido no filme?


Minha resposta é: o ego das pessoas. Pra mim, tudo o que aparece ali do jeito que aparece ali mostra apenas o sucesso de dois caras que reduziram drasticamente o número de coisas que tinham incentivando as pessoas a fazerem o mesmo em busca de uma vida com mais significado. Os casos também falam de como eles se sentiram melhor depois que passaram a ter menos coisas, etc. Mas isso só resolve o ego ferido dessas pessoas individualmente e às vezes em casal, nada mais.

Apesar da questão da sustentabilidade ser apresentada no filme, não se discute de verdade. Até porque não foi uma só vez que a dupla Ryan e Joshua aparecem tomando café em copos descartáveis. Não são apresentadas soluções de verdade ao longo do filme, só nos é vendido como isso é bom. Eles usam da mesma lógica do capitalismo e do consumismo pra se vender, o que me parece contraditório por demais.

O foco segue no objeto, nas coisas. Poderíamos estar discutindo o porquê da nossa busca pela felicidade estar tão atrelada a objetos historicamente e como quebrar essa lógica; poderíamos estar falando de como o machismo faz as mulheres depositarem toda sua auto-estima em roupas, sapatos e maquiagens; poderíamos falar sobre lixo e ações para reduzir sua produção a partir do minimalismo. Mas o foco segue nas coisas: tenha menos, tenha só o suficiente, tenha uma blusa só de qualidade, tenha só um ou não tenha. O Joshua inclusive fala que não é contra o consumismo, mas é contra o consumismo compulsório. Bem, eu acho que ele deveria ser contra o consumismo sim, talvez não ser contra comprar coisas – que é bem diferente.

Acho que faltou muito uma discussão mais profunda sobre tudo, faltaram soluções práticas, faltou aprofundar os problemas e faltou ser menos machista. Ficou sendo egoísta também, porque é uma solução de uma pessoa só, não fala em coletivo e mudança real de sociedade. Por isso tudo eu não gostei, mas tem uns pontos legais sim sobre a pressão em ter cada vez mais casas, espaço, etc.

 Semana que vem a gente fala sobre um documentário que vale realmente assistir: Demain (tem na Netflix). E assim a gente dá uma revivida no Clube de Livros & Filmes Sobre Sustentabilidade, yes!


Cuidar de uma composteira é bem fácil. Mesmo. Se você colocar o lixo orgânico do jeito que eu falei nesse post ou nesse, metade dos seus possíveis problemas já se acabam aqui mesmo. Mas, como uma composteira é algo vivo (alô, minhocas amigas!), alguns desequilíbrios podem acontecer. As dicas desse post são pra que isso não aconteça, ou aconteça só raramente. ;)



Separando as cascas e restos de alimentos pra colocar na composteira


Não coloque todo dia, a não ser que você tenha uma família grande e produza bastante lixo por dia. O melhor é juntar durante uma semana em um pote com tampa (pote de sorvete, sabe?). A tampa é importante pra não juntar mosquinhas que colocam ovos e viram mais mosquinhas, uma bola de neve. 

Mas, como você pode imaginar, o lixo vai apodrecer em uma semana ali dentro. Por isso, minha dica é: deixe esse pote no congelador enquanto ele enche. Assim, quando você for esvaziar o pote colocando na composteira, seu lixo não vai ter apodrecido, não vai ter cheiro ruim, não vai atrair bichinhos e não vai atrapalhar o equilíbrio da sua composteira. :)

Aí é só colocar o lixo, esperar um pouco pra ele descongelar, ajeitar em um cantinho e cobrir bem com matéria seca (folhas secas ou serragem).

Outra coisa que vai facilitar a decomposição dos restos de alimentos é deixar os pedaços das comidas pequenos. Dá pra cortar um pouco quando tiver cozinhando, pra facilitar. Não é nada muito meticuloso, viu? ;)

Tem diferença entre usar folhas secas e serragem na composteira?


Tem sim! A serragem absorve mais e melhor a umidade do composto. Além de deixar mais espaços por onde o ar pode passar. Por isso, acho que é mais rápido quando usamos serragem na composteira. Quando usei folhas secas, senti que ficou muito úmido, teve mais mosquinhas e demorou um pouco mais. Isso não chega a ser um problema, mas é uma diferença. Dá também pra misturar serragem e folhas secas. ;)

O que pode e o que não pode ir numa composteira?


Algumas coisas tem passe livre, outras pode só de vez em quando e outras são proibidas de colocar numa composteira de minhocas.

O que pode sempre: frutas, verduras, legumes, grãos, sementes, saquinhos de chá, erva de chimarrão, borra e filtro de café e cascas de ovos.

O que pode de vez em quando: frutas cítricas (você pode fazer desinfetante natural com as cascas e secar ao sol antes de colocar na composteira, aí tá liberado!), laticínios, comidas cozidas, guardanapos e flores ou ervas medicinas.

O que não pode: carnes, limão, temperos fortes (alho, pimenta, cebola), líquidos (iogurte, caldos, sopas, etc), óleos e gorduras, fezes de animais domésticos e papel higiênico.

Para ajudar no processo, o ideal é não colocar as cascas dos restos de alimentos sem dar uma cortadinha em pedaços menores. Não é nada gourmet, é só para os pedaços ficarem um pouco menores mesmo.

Prontinho! Mãos à obra pra reduzir em até 51% o lixo da sua casa, evitar de enviar um lixo fedido e que pode atrair bichos e contaminar o chão pros aterros, ter um adubo poderoso em casa e ajudar o planeta! ;)

+ Pra tirar as dúvidas que podem surgir depois, os sites Morada da Floresta e Composta São Paulo tem muitas informações úteis.
+ Como fazer uma composteira em casa com quintal, leia aqui.
+ Como fazer uma composteira em apartamento, leia aqui.
Um dos sistemas de composteira doméstica mais famosos hoje é a composteira com minhocas. Isso porque ela é pequena, não tem cheiro ruim, cabe em quase qualquer cantinho e com a ajuda das minhocas a decomposição acontece mais rápido que sem elas. Esse tipo de composteira é ótima pra quem mora em apartamentou ou quem mora em casa e não pode fazer um buraco no quintal. Quase tudo o que a gente produz em casa pode ir nela, com exceção de poucas coisas. Existem composteiras prontas que já vem com as minhocas, mas você pode fazer a sua usando caixas ou baldes de plástico.

Uma composteira com minhocas precisa de, no mínimo, três andares: o primeiro andar, onde o lixo orgânico vai sendo depositado e coberto com o material seco (serragem e folhas secas) e, quando cheio, fica em repouso por cerca de um mês. Durante esse tempo de repouso, o segundo andar vira o primeiro e começa o ciclo de novo. Estes dois andares são onde acontece a compostagem do material. O terceiro andar é o que recolhe o líquido que escorre (os andares são intercalados com furinhos para o líquido descer, e as minhocas se movimentarem).

No final desses trinta-sessenta dias, o chamado período de repouso, o material que sobra é um húmus, que parece terra, super nutritivo para as plantas e com cheirinho de terra molhada. Nada disso dá mau cheiro se tudo for feito corretamente.

O excesso de umidade pode facilitar a criação de mosquinhas, por isso é importante cobrir tudo muito bem com serragem. Além das minhocas, acabam aparecendo outros bichinhos pequenos, como formiguinhas e outros insetos, que também ajudam no processo de decomposição dos alimentos. É tudo limpo e, seguindo todas as etapas, não há risco nenhum de contaminação.



Como fazer uma composteira com baldes


  1. Escolha três baldes ou caixas plásticas que tenham algum tipo de encaixe entre si. Algumas caixas organizadoras encaixam só na parte de cima, sem que as caixas precisem "se afundar", deixando espaço pro lixo orgânico. Os baldes de margarina industrial e esse tipo de alimento vendido pra padarias e restaurantes também tem um tipo de encaixe nas tampas pra eles serem fáceis de empilhar. Essa é uma outra opção muito legal. Só lavar super bem! As caixas ou os baldes precisam ser opacos, porque as minhocas não gostam de luz.
  2. O tamanho vai depender de quantas pessoas tem na sua família. Se estima cerca de 1kg por semana por pessoa. Como além do lixo em si também colocamos muitas folhas secas ou serragem, estime pra mais esse volume. :) Com esse sistema com três baldinhos reutilizados, o volume é pra cerca de 1 a 2 pessoas que não cozinham muuuito.
  3. Fure o fundo de dois dos três baldinhos com uma furadeira, com cerca de 0,5 a 1cm de diametro – não mais que isso! Faça muitos furos, com cerca de 2 a 3cm de distância entre eles. É por esses furinhos que o líquido da composteira vai escorrer e as minhocas vão mudar de andar.
  4. Você pode deixar sua composteira mais profissional se conseguir colocar uma torneirinha no último andar, o que não tiver furos e fica coletando o chorume do bem. Se não der, não tem problema.
  5. Prontinho! Agora, pra usar, você precisa de algumas minhocas. Não precisam ser muitas, porque elas se reproduzem conforme a necessidade. O ideal são as minhocas californianas, que não pulam igual as nossas brasileiras e são maiores, comem os restos de alimentos mais rápido. Coloque uma camada de terra suficiente pra cobrir o fundo do balde e as minhocas.


A minha composteira, quando o andar do composto tá cheio e coberto de serragem ;)

Como usar a composteira com minhocas


  • Pra usar a composteira você vai colocar restos de alimentos, cascas etc aos poucos. Não espalhe tudo, vá colocando em cantinhos e concentrando o lixo. Cubra muito bem com folhas secas e serragem. Não aperte e comprima, deixe a mistura respirar!
  • Siga colocando seus resíduos até o baldinho que estiver em cima de todos esteja cheio. O ideal é que demore mais ou menos um mês pra encher, pra dar tempo dele virar adubo e você poder trocar com o 2º andar. Nos primeiros meses, até por ter menos minhocas, a tendência é demorar mais pra acontecer a decomposição. Você pode ajudar dando uma revirada no material a cada 15 dias (com cuidado pra não machucar as minhocas). Quando ele estiver cheio, ele vai para o repouso. Troque ele de lugar com o que estava no 2º andar, vazio. Repita o processo.
  • Quando o baldinho que era o 2º andar estiver cheio, depois de um mês ou mais, vai ser hora novamente de trocar os andares. Se tudo deu certo, o baldinho que estava no repouso agora tem um adubo especial e super nutritivo. Você só precisa tirar pra liberar espaço.
  • Pra tirar o húmus, deixe a tampa aberta em um lugar com bastante luz. As minhocas não gostam e vão se enfiando pra dentro da terra. Vá raspando o adubo aos poucos, pra não machucar e não levar embora as minhocas.
  • No último andar vai começar a aparecer um líquido bem escuro. Ele é um biofertilizante poderosíssimo. Dilua ele em 1 pra 10 partes de água e regue as plantinhas 1 vez por semana com essa mistura. Suas plantas vão ficar LINDAS. É sério.
  • O húmus pode ser colocado em plantas, mas caso sobre, você também pode doar, colocar nas plantas do condomínio, na praça que estava feia perto de casa. Revolução verde: teremos! :)
No próximo post, sexta-feira, vou dar dicas pra cuidar super bem da sua composteira, evitar mosquinhas, os alimentos que podem e os que não podem ser usados, etc. Fiquei ligado! :)

+ No post anterior: Como fazer uma composteira em casa com quintal, leia aqui.
+ Se você não quiser fazer uma composteira e quiser comprar uma, clique aqui.
Já falei por aqui que mais da metade do lixo produzido nas casas vem da cozinha: os restos de alimentos. O chamado lixo orgânico, com restos de cascas e sobras de frutas e verduras, restos de comida e tudo que seja perecível não precisa ficar apodrecendo e dando cheiro ruim na sua cozinha! Tudo que você precisa é ter uma composteira doméstica.

Uma composteira nada mais é que um lugar apropriado pra que a decomposição desses resíduos aconteça. O segredo é que desse jeito, não fica cheiro ruim (sério!). No lixinho da nossa cozinha, o lixo se decompõe por meio de bactérias, sem oxigênio (de forma anaeróbica) por isso o cheiro fica ruim. Na composteira, a decomposição acontece do jeito adequado, com oxigênio, sem bactérias, com ajuda de minhocas ou do calor e o cheiro ruim não existe!

Reduzir o lixo da cozinha, ter um adubo maravilhoso e fácil, manter uma horta super bonita: dá pra ter tudo isso com uma composteira em casa. Existem vários tipos de composteiras, mas o mais recomendado e usado hoje é o com minhocas (sim, minhocas!).

Nessa série de posts, vou ensinar como fazer uma composteira se você mora em casa e tem um quintal à sua disposição, se você mora em apartamento e tem pouco espaço e dicas preciosas de como cuidar da sua composteira pra ela ser só sucesso.

Crédito da imagem: The Garden Love e  Real Farmacy

Como fazer uma composteira se você mora em casa


Quem morou no interior ou sempre morou em casa provavelmente vai lembrar de um lugarzinho onde o lixo orgânico sempre foi jogado. Na casa dos meus avós, era dentro da horta, num espaço só pra isso. Apesar de funcionar (as cascas vão se decompor, é da natureza delas), existem técnicas pra ser mais rápido, evitar cheiros ruins e não atrair animais.

  1. Faça um buraco na terra, de cerca de pelo menos 0,5m2. Se a família for grande, você pode fazer dois e enquanto um descansa, vocês enchem o outro. Ou fazer um grandão, de 1m2. Uns 30cm de profundidade é suficiente. Pra ajudar a segurar as paredes de terra, você pode colocar tábuas nas laterais ou uma caixa sem o fundo (tipo uma caixa d'água, um caixote, algo que segure as laterais mas tenha acesso ao chão). Também dá pra fazer cercando uma área em contato com a terra com cerca de arame, tábuas ou troncos.
  2. Coloque o material orgânico e não espalhe muito. Vá concentrando em um cantinho até tudo encher. Sempre cubra muito bem com folhas secas ou serragem (é esse o segredo pro cheiro ruim não aparecer).
  3. Regue de vez em quando se fizer muito calor e sol, porque a mistura pode esquentar e secar. É bom manter úmido pra decomposição acontecer mais rapidamente.
  4. A cada 15 dias dê uma revirada em todo material, pra ajudar a aerar e facilitar a decomposição.
  5. Aos poucos as sobras de alimento vão se transformar em uma terra bem escura, com cheiro de terra molhada. Esse adubo é maravilhoso pras plantas e pra sua hortinha!
  6. É legal ter dois espaços diferentes porque enquanto um vai passando por esse processo de descanso e revirar, o outro tá com a terra pronta pra ser usada, você pode desocupar ele e ter espaço pra colocar mais matéria orgânica. :)

Se você não tiver espaço pra cavar um buraco no quintal, ainda dá pra ter a composteira com minhocas, em um sistema prático de caixas plásticas. Quer saber como fazer e como cuidar dela? Na quarta-feira a gente fala sobre isso! ;)
Aqui no blog eu tento testar tudo muitas vezes até saber bem os efeitos, minha opinião formada, o que eu consegui otimizar naquele processo pra enfim contar pra vocês. Eu lavo algumas vezes a roupa até postar a receita do sabão líquido, eu uso durante algumas semanas o creme hidratante. E sempre tento contar no mínimo de detalhes que é pra você, aí do outro lado, ter uma ideia de como a coisa vai funcionar na sua vida ou na sua casa.

Eu faço isso com tudo que eu posso, mas tem coisas que eu realmente não sei porque não tenho como testar. Por isso que eu chamei a Mona Soares, da Ewé Alquimias, pra falar de pele negra e cabelos crespos e cacheados. Queria saber se tem diferença da pele branca, que é a minha e que sei várias particularidades porque carrego ela desde que nasci, além de quase todas as informações disponíveis por aí serem só sobre peles claras. Queria saber como uma rotina de beleza natural funciona, se dá pra usar o que eu uso aqui em mim e se fica bom.

A história da Mona é super parecida com muita gente que conheço do mundo natural: ela se formou em farmácia, trabalhava em uma farmácia comercial com medicamentos sintéticos e não sentia que estava no lugar certo. Foi num daqueles momentos que tudo parecia dar errado que ela começou a estudar saboaria, aromaterapia, cosméticos, perfumaria naturais. Aos poucos a produção de sabonetes que ia só para a família começou a ser vendida em bazares e logo mais em uma loja virtual para o Brasil todo.



A pele negra


A pele negra tem diferenças da pele clara não só na cor. Ou melhor: a cor é justamente a diferença, como explica a Mona: "A característica mais marcante da pele negra que a diferencia das outras é a expressão de melanina pelos melanócitos. Quanto mais escura a pele, mais melanina os melanócitos produzem."

E é justamente esse fator que faz dessa pele mais suscetível a manchas. "Isso pode deixar a pele muito suscetível a manchas, principalmente as peles pretas que passaram pelo processo de miscigenação, que é o caso da maioria das pessoas negras no Brasil. Acnes, arranhões e ferimentos podem deixar cicatrizes mais escuras que o tom natural da pele."

Outra diferença é que a pele negra, quando ressecada, pode ter manchas esbranquiçadas. Por isso, é importante hidratar bem a pele – e isso pode ser com manteigas e óleos vegetais como a gente já falou por aqui!

As peles negras também tem maior proteção natural contra os efeitos nocivos do sol. Quanto mais escura é a pele, mais proteção. Porém, por causa disso, os níveis de vitamina D podem ser mais baixos. "Por isso é muito importante a exposição moderada ao sol e evitar os protetores solares com alto fator de proteção" [que inibem a produção da vitamina D (1)].

Uma das grandes vantagens que a Mona lembra da pele negra, além da beleza, é que ela demora pra apresentar os sinais de idade. Pessoas mais velhas negras sempre parecem muito mais novas, pra mim (Cristal) isso é o mais impressionante.



Cuidados com a pele negra dentro de uma rotina de beleza natural


Os principais cuidados que uma pele negra precisa ter são: exposição moderada ao sol, evitar lesões e hidratar. As dicas que a Mona dá pra essas três etapas são:

  1. O protetor solar deve ser o mais natural possível, com um fator moderado (15 fps para tons mais escuros e 30 fps para tons médios). Como protetores solares podem deixar a pele esbranquiçada, muitas vezes encontrar um protetor mais natural para este tipo de pele é um desafio. Algumas mulheres corrigem a cor com um protetor com cor ou um pó compacto. Infelizmente ainda não temos marcas de protetor solar mais natural para este tipo de pele. Já em caso da pele manchada em tratamento de manchas, mesmo sendo um tratamento natural, é recomendável usar o protetor solar com fator mais alto (FPS 30).
  2.  Em caso da pele que já apresentam manchas em tons mais escuros ou mais claros que a pele, pode-se usar óleo de rosa mosqueta, óleo de pracaxi, máscara de argila branca ou cosméticos formulados com esses ingredientes.
  3. O ressecamento da pele do corpo pode ser melhorado com o uso de manteigas vegetais, como muru muru, cupuaçu, karité ou cacau.

Mas, assim como a pele branca, a pele negra também pode ser mais oleosa, mais seca, sensível e a escolha dos óleos e manteigas, da rotina de beleza é super individual. Eu falo muito disso e dou as ferramentas pra você montar sua rotina de beleza no e-book Rotina De Beleza Natural, dá pra comprar aqui.



Cuidados naturais com cabelos crespos e cacheados: LAVANDO e HIDRATANDO


Descobri com a Mona que o cabelo crespo precisa de algumas coisinhas a mais que o combo xampu sólido + enxágue com vinagre + finalização com óleo vegetal. "Precisa do que tecnicamente chamamos de"substantividade", que está presente nos condicionadores e cremes de pentear e facilita o desembaraçar, amacia a fibra capilar e previne a quebra." Por isso, uma rotina de cuidados pro cabelo crespo/cacheado normalmente funciona melhor com:

  1. Xampu natural, sólido ou líquido.
  2. Condicionador natural, livre de derivados do petróleo, silicones, parafina líquida, sulfatos, conservantes agressivos, liberadores de formol, corantes e essências sintéticas.
  3. Creme finalizador natural, livre de todas essas coisas acima.

Esses três produtos são suficientes, mas você pode complementar essa rotina de cuidados com ingredientes naturais como óleos vegetais, manteigas, argilas, melado de cana e gel de aloe vera, por exemplo.

Pra ler mais e outros jeitos de lavar os cabelos crespos:
  • Como fazer low poo e no poo com cosméticos naturais, leia aqui.
  • Como limpar o couro cabeludo e não ressecar os fios, leia aqui.
  • Como lavar o cabelo crespo com xampu sólido, leia aqui.




Cuidados naturais com cabelos crespos e cacheados: LIDANDO COM O FRIZZ


O que a gente mais teme, se analisar pelos comerciais de produtos pro cabelo é ele: o frizz. Eu falei sobre ele pra Mona já dizendo que talvez a gente não precise controlar o frizz, mas sim aceitar. E foi o que ela me falou: "Eu não combato o frizz há anos. Parar de lutar contra ele foi a melhor maneira de contornar o problema. Acho cruel quando a indústria de cosméticos cria um arsenal de produtos para melhorar características que são naturais e praticamente todo mundo tem."

Mas tem alguns truques pra diminuir a estática do cabelo e deixar ele mais bonito naturalmente, pra que você não precise ficar brigando com seus cachos pra sempre. :) Essas são as dicas da Mona (que é especialista já que tem cabelos crespos!) porque às vezes a gente investe em cosméticos caros enquanto uma mudança no jeito de pentear ou desembaraçar seria mais eficaz e investir em acessórios que duram anos, melhor ainda:

  1. A escova da marca Denmann #nãoéjabáéamor. Ela tem um cabo preto e a base vermelha, é desmontável o que ajuda na hora de limpar. Comprei no Mercado Livre, mas nem sempre achamos no Brasil.
  2. Usar uma toalha de microfibra que é fácil de ser encontrada no Mercado Livre ou lojas pra cabelos crespos e cacheados.
  3. Dormir em fronha de cetim também é útil pra diminuir a estática.

Ó a Mona sendo linda <3

Depois dessa super aula, eu só tenho a agradecer DEMAIS pela contribuição da Mona aqui no Um Ano Sem Lixo. E tenho que pedir pra vocês irem até o site da marca dela, a Ewé Alquimias, porque lá tem: xampus, sabonetes e condicionadores naturais, apostilas de saboaria e cosmetologia natural e muuuito conhecimento dessa mulher negra, crespa e baiana incrível! <3